Pesquisa revela que mulheres estudam mais, ganham menos e ficam sós

    71

    Se essa reportagem começasse dizendo que os homens têm medo de mulheres poderosas e, por isso, elas estão mais sozinhas, talvez o time feminino ficasse mais satisfeito. Mas a realidade é que está faltando homem mesmo. E quem diz isso é o IBGE, que divulgou ontem a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad).

    Segundo o instituto, só na Bahia estão ‘sobrando’ 474,6 mil mulheres, isto é, são exatos 3.302.197 mulheres disponíveis, para 2.827.541 homens (pelo menos era assim em 2011, ano de referência da pesquisa). Na Região Metropolitana de Salvador, a situação não é muito diferente: 730 mil homens disponíveis para 960 mil mulheres: 24% mais mulheres.

    Se você é homem deve ter ficado feliz com esta informação, mas se for mulher… fique feliz em saber que o time feminino é bem mais escolarizado do que o masculino. A mesma pesquisa mostra que o número de mulheres com mais de 15 anos de estudo é muito maior do que o de homens: 321 mil contra 195 mil. A diferença é boa, não é?

    A consultora de imagem Priscila Gadelha Seijo, 31 anos, é uma dessas mulheres lindas, poderosas, inteligentes… e solteiras. “Sou formada em Marketing, pós-graduada em Styling e Imagem de Moda, em Gestão Empresarial e ainda falo francês e inglês”, diz, completando as qualificações. Com bem mais que 15 anos de estudo, Priscila também é blogueira, professora universitária e tem seus próprios cursos na área de moda. Porque está solteira? “Falta tempo”, diz.

    Justificativa 
    Com relação à menor escolaridade dos homens, o coordenador de disseminação de informações do IBGE, Joilson Rodrigues de Souza, sai em defesa da classe. “Os homens sofrem mais pressão da família para começar a trabalhar, e muitos não conseguem conciliar com os estudos. Já as mulheres são mais preservadas nesse sentido”, explica.

    Nesse quesito, é bom frisar que as mulheres também são maioria nas faculdades e nas escolas de nível médio. Mesmo assim, elas ainda ganham menos, bem menos. De acordo com os dados nacionais do Pnad, em 2011, o rendimento médio mensal real de trabalho dos homens ocupados foi de R$ 1.417, enquanto o das mulheres ocupadas foi de R$ 997.

    Proporcionalmente, as mulheres recebiam 70,4% do rendimento de trabalho dos homens. Apesar de baixo, esse percentual melhorou em relação a 2009, quando essa proporção era de 67,1%. Em 2011, enquanto 22,1% dos homens ocupados recebiam até 1 salário mínimo, para as mulheres este percentual era de 31,4%.

    Sobre o assunto, o coordenador Joilson explica que, no geral, quando ocupam a mesma função, homens e mulheres recebem salários equivalentes. “O que acontece é que as mulheres costumam igressar em carreiras menos remuneradas”, esclarece, citando como exemplo as empregadas domésticas e as graduadas em Letras ou Pedagogia.

    “E mesmo quando os dois são médicos, por exemplo, a mulher costuma trabalhar menos horas, se organizar melhor para cuidar dos filhos. Então acaba ganhando menos”, completa.

    Filhos  
    A funcionária pública Érika Perick Pereira, 33 anos, sabe bem o que é ter que se organizar para trabalhar e cuidar dos filhos. Separada, ela acorda todos os dias às 6h para arrumar os dois filhos, deixar na casa de uma vizinha. “É uma senhora que cuida deles enquanto vou trabalhar”. Depois, ela corre para o trabalho, no Centro Administrativo da Bahia (CAB), onde fica até as 18h. Depois disso é só pegar o habitual engarrafamento da Paralela para buscar os filhos e voltar para casa.

    Namorado? Ela não sabe o que é isso desde que se separou do pai de seu segundo filho, de 2 anos. “É muito difícil, ninguém consegue ficar comigo. Só dá para dar uma saidinha quando coincide de meus dois filhos (de pais diferentes) passarem os finais de semana com os pais”, conta.

    Pelo menos nesse quesito, a estudante Raquel Silva Gonçalves, 22 anos, está melhor.  Namorando há cinco anos, ela só faz parte da estatística boa: a que diz que as mulheres estudam mais. “Me formo ano que vem em Engenharia Mecânica, mas vou fazer uma pós. Não vou quero parar nunca de estudar”, diz ela, que faz estágio na Vale.

    E não é só na Bahia que as mulheres estudam mais. As mulheres brasileiras, de modo geral, são mais escolarizadas que os homens, com média de 7,5 anos de estudo, enquanto eles têm 7,1 anos. Em todos os grupos etários, com exceção do grupo de 60 anos ou mais de idade, a média de anos de estudo das mulheres foi superior a dos homens. A maior média foi a do grupo etário de 20 a 24 anos (9,8 anos), sendo de 10,2 anos de estudo na parcela feminina e de 9,3 na masculina. (Veja mais no Correio)

    ....

    Veja Também

    COMPARTILHAR