5 das 10 cidades mais violentas do país estão na Bahia; veja levantamento

Cinco das dez cidades mais violentas do Brasil estão na Bahia, segundo dados do Atlas da Violência 2018, divulgado nesta sexta-feira (16) pelo Ipea e pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Eunápolis e Simões Filho, na Bahia, estão no top 3 de cidades mais violentas do país, atrás de Queimados (RJ). Ainda estão entre as dez mais violentas Porto Seguro, Lauro de Freitas e Camaçari. A pesquisa faz mapeamento das mortes violentas em municípios com mais de 100 mil habitantes. Os dados são referentes ao ano de 2016 e foram produzidos com base no Sistema de Informação sobre Mortalidade do Ministério da Saúde.

Foto rerodução

Foram analisados 309 municípios. Os três mais pacíficos são Brusque (SC), Atibaia (SP) e Jaraguá do Sul (SC) – nenhuma cidade baiana aparece entre as 10 com menor taxa. Enquanto os três mais pacíficos têm taxas de morte violenta de 4,8 a 5,4 a cada 100 mil habitantes, os três mais violentos têm taxas de 107,7 a 134,9. Veja a lista com as dez cidades mais violentas do país:

Cidade/ Mortes violentas para cada 100 mil habitantes

1. Queimados (RJ) – 134,9
2. Eunápolis (BA) – 124,3
3. Simões Filho (BA) – 107,7
4. Porto Seguro (BA) – 101,7
5. Lauro de Freitas (BA) – 99,2

6. Japeri (RJ) – 95,5
7. Maracanaú (CE) – 95
8. Altamira (PA) – 91,9
9. Camaçari (BA) – 91,8
10. Almirante Tamandaré (PR) – 88,5

Segundo o mapeamento, 50% das mortes violentas do Brasil se concentram em apenas 123 municípios do país, o equivalente a 2,2% das cidades brasileiras. Destes 123 municípios, 33 estão no Rio de Janeiro ou na Bahia (veja lista completa abaixo).

Levando em conta somente capitais, as três com maiores taxas de morte violenta são Belém (PA), Aracaju (SE) e Natal (RN). Já as que têm menores taxas são São Paulo (SP), Florianópolis (SC) e Vitória (ES). Salvador é a quinta mais violenta, com taxa de 61,7 mortes para cada 100 mil habitantes. A média nacional é de 30.

O Atlas mostra que as dez cidades maios violentas do país têm nove vezes mais pessoas na extrema pobreza do que as cidades menos violentas. O estudo mostra essa correlação entre condições de educação, trabalho e vulnerabilidade econômica com a prevalência de mortes violentas. Os municípios com menor acesso à educação, com maior população em situação de pobreza e maiores taxas de desocupação apresentam maiores taxas de mortalidade violenta.

Veja a lista das 123 cidades que concentram metade das mortes violentas do país e suas taxas de homicídios:

Rio Branco (AC) – 63,4
Maceió (AL) – 55,6
Arapiraca (AL) – 65,8
Manaus (AM) – 48,6
Macapá (AP) 56,7
Salvador (BA) – 61,7
Feira de Santana (BA) – 85,1
Camaçari (BA) – 91,8
Vitória da Conquista (BA) – 68,5
Lauro de Freitas (BA) – 99,2
Itabuna (BA) – 69,9
Porto Seguro (BA) – 101,7
Simões Filho (BA) – 107,7
Eunápolis (BA) – 124,3
Teixeira de Freitas (BA) – 83,8
Alagoinhas (BA) – 81,1
Jequié (BA) – 75,4
Juazeiro (BA) – 48,1
Barreiras (BA) – 64,9
Ilhéus (BA) – 56,1

Fortaleza (CE) – 55,0
Caucaia (CE) – 61,1
Maracanaú (CE) – 95,0
Juazeiro do Norte (CE) – 52,2
Brasília (DF) – 26,5
Serra (ES) – 59,9
Vila Velha (ES) – 38,8
Cariacica (ES) – 48,1
Goiânia (GO) – 43,1
Aparecida de Goiânia (GO) – 61,6
Anápolis (GO) – 59,6
Luziânia (GO) –  84,8
Águas Lindas de Goiás (GO) –  47,0
São Luís (MA) – 59,5
Imperatriz (MA) – 71,7
São José de Ribamar (MA) – 75,6
Belo Horizonte (MG) – 31,9
Contagem (MG) – 51,9
Betim (MG) – 60,8
Juiz de Fora (MG) – 36,3
Ribeirão das Neves (MG) – 53,1
Uberlândia (MG) – 22,2
Governador Valadares (MG) – 48,6
Montes Claros (MG) – 27,1
Sete Lagoas (MG) – 40,1
Campo Grande (MS) – 29,7
Cuiabá (MT) – 40,8
Várzea Grande (MT) – 52,0
Rondonópolis (MT) – 50,7
Belém (PA) – 77,0
Ananindeua (PA) – 84,6
Marabá (PA) – 87,7
Castanhal (PA) – 78,4
Parauapebas (PA) – 65,7
Marituba (PA) – 84,5
Altamira (PA) – 91,9
João Pessoa (PB) – 44,9
Campina Grande (PB) – 36,8
Santa Rita (PB) – 75,0
Recife (PE) – 53,1
Jaboatão dos Guararapes (PE) – 64,7
Caruaru (PE) – 68,2
Olinda (PE) – 60,7
Cabo de Santo Agostinho (PE) – 81,4
Paulista (PE) – 50,4
Petrolina (PE) – 40,9
Camaragibe (PE) – 62,5
Teresina (PI) – 46,8
Curitiba (PR) – 31,7
São José dos Pinhais (PR) – 50,9
Londrina (PR) – 24,6
Colombo (PR) – 54,5
Foz do Iguaçu (PR) – 46,2
Almirante Tamandaré (PR) – 88,5
Cascavel (PR) – 29,1
Rio de Janeiro (RJ) – 34,9
São Gonçalo (RJ) – 43,9
Nova Iguaçu (RJ) – 54,4
Duque de Caxias (RJ) – 47,2
Belford Roxo (RJ) – 58,1
Campos dos Goytacazes (RJ) – 55,8
São João de Meriti (RJ) – 56,0
Queimados (RJ) – 134,9
Niterói (RJ) – 38,0
Magé (RJ) – 57,1
Itaboraí (RJ) – 51,1
Nilópolis (RJ) – 73,3
Macaé (RJ) – 48,0
Cabo Frio (RJ) – 53,7
Japeri (RJ) – 95,5
Angra dos Reis (RJ) – 49,1
Mesquita (RJ) – 54,4
Itaguaí (RJ) – 73,6
Natal (RN) – 70,6
Mossoró (RN) – 74,7
Parnamirim (RN) – 68,0
São Gonçalo do Amarante (RN) – 106,3
Ceará-Mirim (RN) – 129,5
RO Porto Velho (RO) – 44,6
RR Boa Vista (RR) – 40,4
Porto Alegre (RS) – 58,1
Viamão (RS) – 77,1
Caxias do Sul (RS) – 35,5
Canoas (RS) – 47,9
Alvorada (RS) – 71,8
Gravataí (RS) – 42,0
Pelotas (RS) – 26,8
Joinville (SC) -24,8
Aracaju (SE) – 76,5
Nossa Senhora do Socorro (SE) – 86,3
Itabaiana (SE) – 118,7
São Cristóvão (SE) – 118,0
São Paulo (SP) – 14,9
Guarulhos (SP) – 20,6
São José dos Campos (SP) – 28,0
Campinas (SP) – 16,1
Santo André (SP) – 24,6
Osasco (SP) – 20,7
São Bernardo do Campo (SP) – 16,7
Sorocaba (SP) – 17,0
Ribeirão Preto (SP) – 15,1
Araguaína (TO) – 70,5
Palmas (TO) – 37,2

....

COMPARTILHAR