ACM Neto diz que “quer ser a voz dos jovens da Bahia”

O presidente nacional do Democratas, ACM Neto, afirmou que “quer ser a expressão e a voz dos jovens de toda a Bahia” e destacou o papel da juventude na construção de um projeto para o futuro do estado, ao comentar sobre o movimento “Rota da Mudança”. Encabeçado pela Juventude Democratas, o projeto teve seu início neste sábado (10) na região metropolitana de Salvador, passando por cinco municípios.

ACM Neto1
Foto Reprodução

O objetivo do movimento é percorrer o estado para discutir os problemas e buscar soluções, visando a construção de um novo projeto para a Bahia, sob a liderança de ACM Neto. Nesta primeira etapa, a rota passou por Pojuca, Candeias, Camaçari, Simões Filho e Lauro de Freitas. Jovens de outros municípios também participaram. O projeto ainda vai passar por seis mesorregiões do estado.

Em vídeo transmitido nos encontros realizados nestas cidades, Neto convocou a juventude. “Acima de tudo eu quero ser a expressão e a voz dos jovens de toda Bahia. A Bahia pode muito mais e tudo isso passa pelo nosso engajamento, pela nossa mobilização, pela liderança e pela participação dos jovens”, afirmou.

“A gente tem um desafio: não vamos apenas conversar com quem já nos admira, quem já pensa com a gente. Vamos ser criativos, vamos inovar, vamos ter a coragem de convidar jovens de todos os cantos do estado, mas também de diferentes pensamentos, de várias origens, jovens que possam contribuir na construção de um projeto para o futuro, um projeto plural, um projeto que sintetize aquilo que é o sonho de verdade dos baianos”, acrescentou.

Os participantes apresentaram sugestões, que serão reunidas e, no final do movimento, no próximo ano, serão entregues a ACM Neto no encontro estadual da Juventude Democratas.

ACM Neto destacou também o início do movimento pela região metropolitana de Salvador. “Muitos com certeza puderam acompanhar o trabalho que nós fizemos em nossa capital durante oito anos como prefeito e podem levar esse testemunho. As mudanças que fizemos em Salvador também podem ser feitas no futuro da Bahia”, disse. (Bahia.ba)