Após ser barrado por Tite, futuro de Cássio passa a ser incerto no Corinthians

A decisão de Tite de barrar Cássio e escalar Walter para enfrentar o Vitória voltou a agitar os bastidores do Corinthians. O goleiro campeão do mundo e da Taça Libertadores pelo Timão foi pego de surpresa com a notícia de que não seria mais o titular da equipe e não concordou com os argumentos do treinador.

Cássio durante o treino de sexta-feira, no CT Joaquim Grava (Foto: Daniel Augusto Jr. / Ag. Corinthians)
Cássio durante o treino de sexta-feira, no CT Joaquim Grava (Foto: Daniel Augusto Jr. / Ag. Corinthians)

Tite disse em entrevista coletiva depois do treino de sexta-feira que o momento era de dar continuidade a Walter. Na visão do técnico, o goleiro fez boas partidas no ano passado e mostrou qualidade ao assumir a vaga contra Grêmio, domingo passado, pela estreia no Brasileirão.

Cássio relatou a pessoas próximas que estranhou a justificativa. Ele não enfrentou os gaúchos por ter sido liberado pela comissão técnica para participar do enterro da avó, no Rio Grande do Sul. Ou seja, não perdeu a vaga nos treinos. O próprio Tite admitiu na entrevista no CT Joaquim Grava que o goleiro seria titular se o problema familiar não tivesse acontecido.

Apesar da reprovação, Cássio evitou questionamentos e treinou normalmente com a equipe reserva, enquanto Walter fazia o ensaio de lances de bolas paradas com os jogadores titulares. Antes de tomar a decisão, Tite ouviu a opinião do preparador de goleiros Mauri Costa Lima e recebeu o aval dele para efetuar a mudança.

Integrantes da comissão técnica do Corinthians entendem que Cássio passou a errar em demasia em momentos importantes. Na avaliação de Tite e seus subordinados, o goleiro teria cometido falhas no clássico contra o Palmeiras, diante da Ponte Preta, além dos confrontos decisivos frente ao Audax, pela semifinal do Paulistão, e Nacional, nas oitavas da Taça Libertadores.

Cássio não concorda. Ele acredita ter errado apenas no gol de Felipe Azevedo, da Ponte, e não se vê como um dos culpados pelas recentes eliminações. No entanto, passou a ser bastante criticado por torcedores nas redes sociais ao levar dois gols de fora da área do Audax e não ter segurado um chute que culminou no rebote para o Nacional marcar, em Itaquera.

A ida para o banco de reservas deixa o futuro de Cássio em aberto. O goleiro dificilmente recusará propostas se não recuperar a vaga de titular nos próximos meses. No início do ano, ele chegou a encaminhar a transferência para o Besiktas, da Turquia, mas foi convencido pela diretoria a ficar. No último dia 10, assinou a renovação de contrato até o fim de 2019 e recebeu um aumento salarial.

Revelado pelo Grêmio, Cássio chegou ao Corinthians em 2012 quase como um desconhecido após uma discreta passagem pelo PSV, da Holanda, e virou titular nas oitavas de final da Libertadores, contra o Emelec. Ele assumiu a vaga que pertencia a Julio Cesar, muito criticado pela torcida. O goleiro se firmou rapidamente e foi decisivo na conquista do torneio sul-americano e do Mundial de Clubes, virando um dos grandes ídolos do clube. Até agora, disputou 229 partidas com a camisa do Timão. (Globoesporte.com)