ASPRA diz que proposta de Wagner é retrocesso e PM pode decretar greve geral nesta terça (15)

bahia-5O governo Wagner ignora propostas das entidades de classe, discutidas por nove meses no Grupo de Trabalho (GT), e apresenta Plano de Modernização que representa retrocesso de direitos para entidades de classe. Para votar as propostas junto à categoria, os PMs realizam assembleia nesta (terça-feira), às 15 horas, no Wet´n Wild, Paralela.

Caso o Governo consiga votar a Proposta de Lei, os militares serão obrigados a enfrentar duras penalidades. Configura transgressão disciplinar: contrair dívida (ser incluído (a) no SPC/Serasa); “trotar ou galopar com cavalo injustificadamente”; tentar “entrar na Unidade Policial com um Jornal que CONTENHA FATO CONTRÁRIO A DISCIPLINA; infração de trânsito; executar manobra perigosa em viatura, se recusar a ser submeter a revista e PARTICIPAR DE MANIFESTAÇÕES COM CARÁTER REIVINDICATÓRIO (lista mais completa abaixo).

“Com a lei que hoje vigora, o militar respondia nas esferas civil, administrativa e disciplinar. Com a norma que o Governo tenta passar, ele responderá em cinco esferas: civil, administrativa, disciplinar, por improbidade administrativa e abuso de autoridade. Um absurdo!”, afirmou o coordenador – geral da Aspra, soldado Prisco.

A determinação de 120 dias sem salário no caso de suspensões administrativas de 90 dias também não agradou. Assim, após um longo processo de negociação com o Governo do Estado, o “Plano de Modernização da PM”, apresentado esta semana, segundo análise das Associações, representa retrocesso para a categoria.

“Outro ponto que merece destaque é o Código de Ética que era para ser um avanço para a categoria e está sendo usado para revigorar sanções administrativas antigas, que caíram com o antigo Regulamento Disciplinar da PM, a revogada Lei 7990/2001″, reclamou o coordenador-jurídico da Aspra, Fábio Brito.

Também merece atenção o artigo que dispõe que para ingressar na Lista de Pré-qualificação, é necessário que o Oficial ou Praça satisfaça os seguintes requisitos essenciais, estabelecidos para cada posto ou graduação: a) interstício; f) na graduação de 1° Sargento – 60 (sessenta) meses; g) na graduação de Cabo – 78 (setenta e oito) meses; h) na graduação de Soldado 1a CI – 96 (noventa e seis) meses.

“Ou seja, para ser promovido a cabo deve permanecer no mínimo 8 anos como soldado e sem tempo máximo de permanência, ou seja, não há expectativa real para progressão na carreira”, analisou o soldado Prisco.

 

POLICIAIS FEMININAS

Quanto as Policiais Militares, o Governo do Estado reconheceu o direito delas de passarem para a reserva com 25 anos de serviço, mas abdicou o direito que elas já haviam conquistado, o posto imediato (ou seja, quando o policial se aposenta ele tem os seus proventos promovidos ao grau hierárquico seguinte, com a proposta do Governo, as PFEMs perderiam o benefício).

 

SAIBA COMO FORAM OS NOVE MESES DE NEGOCIAÇÕES

Nove meses depois de articulação UNIÃO HISTÓRICA, das associações de classes, formada por Praças e Oficiais, as propostas da categoria não foram somente ignoradas como também alteradas para pior.

Os diversos prazos solicitados pelo Governo foram aceitos pela TROPA para que o canal de negociação se mantivesse aberto, dando prova de que os policiais militares da Bahia NÃO QUEREM GREVE.

Ocorre que, na tarde de sexta-feira (11/04), o Governo do Estado convocou a imprensa e apresentou proposta de Plano de Modernização da PM, alterando significativamente os pedidos da categoria, inclusive, no que se refere ao subsídio que já é previsto legalmente e o governador Jacques Wagner já tinha se manifestado publicamente a favor.

Com a proposta de Lei, o Governo do Estado também deixou de lado outros aspectos importantes para a categoria, como a remuneração; paridade salarial entre ativa e reserva; isonomia entre as carreiras (policial civil e militar), entre outros pontos que são indispensáveis para a valorização da categoria e melhoria da segurança pública do Estado.

Segundo o coordenador-geral da Aspra, soldado Prisco, é preciso dá uma resposta imediata à tropa. “A segurança pública deve ser uma prioridade para o governo, mas não é isso que está acontecendo na Bahia. Todo o esforço, dos últimos nove meses, foi resumido pelo Governo do Estado com a apresentação de uma proposta superficial  que significa um retrocesso para a categoria”, afirmou.

 

SÍNTESE DOS PONTOS NEGATIVOS DA PROPOSTA DO GOVERNO PARA A PM

1. Infelizmente o governo não apresentou proposta sobre remuneração;

2. A lei continua sendo desrespeitada em relação aos policiais e bombeiros militares inativos e viúvas, no que se refere a paridade salarial entre ativa e reserva;

3. O art. 47 da Constituição Estadual que estabelece isonomia entre as carreiras do sistema de Segurança Pública não está sendo respeitado;

4. As vagas criadas para a carreira não são suficientes para dar fluidez;

5. Aumento do interstício do posto de Ten de 04(quatro) para 05(cinco) anos;

6. Quadro Especial de Oficiais (atual QOAPM), para Sgt e ST da forma proposta, não atende aos anseios da tropa.

7. Suspensão por até 120 (cento e vinte dias) dias, sem remuneração.

8. Responde a transgressão disciplinar de natureza grave, o militar que:

· Contrair dívida (ser incluído (a) no SPC/Serasa)

· “Trotar ou galopar com cavalo injustificadamente”;

· “Entrar na Unidade Policial com um Jornal que CONTENHA FATO CONTRÁRIO A DISCIPLINA”;

· Cometer Infração de Trânsito;

· Executar manobra perigosa em viatura,

· Se recusar a ser submetido a revista e

· PARTICIPAR DE MANIFESTAÇÕES DE CARÁTER REIVINDICATÓRIO;

· Frequentar ou fazer parte de sindicatos, associações profissionais com caráter de sindicato, ou de associações cujos estatutos não estejam em conformidade com as normas legais e regulamentares;

· Falar com a imprensa sobre assuntos da corporação.

· Inobservar princípios de boa educação e a correção de atitudes;

· Fumar em local não permitido;

9.  Para ingressar na Lista de Pré-qualificação, é necessário que o Oficial ou Praça satisfaça os seguintes requisitos essenciais, estabelecidos para cada posto ou graduação:

a) interstício;

f) na graduação de 1° Sargento – 60 (sessenta) meses;

g) na graduação de Cabo – 78 (setenta e oito) meses;

h) na graduação de Soldado 1a CI – 96 (noventa e seis) meses.

Fonte: ASPRA (Associação de Policiais e Bombeiros e de seus Familiares do Estado da Bahia)