Baiano leva amiga da esposa para motel, passa mal e morre

tragediaUma simples ida a um motel de Ipatinga, na região do Rio Doce em Minas Gerais, com a amiga da sua companheira terminou de forma trágica para um baiano de 55 anos. Na última quinta-feira (7), ele passou mal e morreu após entrar em um dos quartos com mulher, com quem teria um relacionamento extraconjugal. As causas da morte não foram esclarecidas.

De acordo com o boletim de ocorrência da Polícia Militar, a gerente do “Motel 100 Limites”, localizado na rua Jundiaí, no bairro Veneza II, acionou os policiais após ser informada que um dos clientes estava passando mal.

Em conversa com os militares, a funcionária do estabelecimento contou que, por volta de meio-dia, o casal entrou no motel em um Fox de cor preta e se dirigiu à suíte 106, onde ficou por cerca de 15 minutos. Em seguida, o homem e a mulher saíram do quarto e, nesse momento, ele teria passado mal.

A vítima foi encontrada ajoelhada ao lado da porta do veículo. O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) foi acionado, mas já encontrou o homem inconsciente. A equipe tentou técnicas de reanimação, mas ele não respondeu aos procedimentos médicos.

O corpo, que segundo a perícia não apresentava sinais de violência, foi encaminhado ao Instituto Médico Legal (IML) de Ipatinga. O carro foi entregue ao filho da vítima, que nasceu em Chorrochó, na Bahia.

Para os militares, a mulher se limitou a dizer que tinha ido ao local “entregar panfleto de produtos de emagrecimento”.

Casal era vizinho em Coronel Fabriciano

De acordo com a assessoria de imprensa da Polícia Civil, o caso será investigado pelo delegado Eduardo Vinícius Carvalho, da Delegacia de Homicídios. Segundo ele, a causa real da morte só será descoberta após o laudo de necrópsia, que deve ficar pronto em 30 dias.

No entanto, o delegado conversou com o perito que foi ao local e o profissional afirmou que, pelas circunstâncias, o homem sofreu um infarto fulminante. A mulher não foi encaminhada à delegacia, mas será intimada e vai prestar depoimento em data posterior.

Carvalho afirmou que, ao puxar a ficha da mulher, descobriu que ela é casada e vizinha da família do homem em Coronel Fabriciano.