Baiano tem rosto desfigurado após erro médico e desabafa: “Me chamam de monstro”

773cx6zdhb_45obj0zybj_fileVontade de ter uma vida normal. Esse é o maior desejo de Sandro, de 39 anos, morador do município de Alagoinhas, a 120 km de Salvador. Ele teve a vida subitamente modificada depois de ser submetido a um procedimento cirúrgico mal sucedido, quando tinha apenas 14 anos.

Sandro revela que precisa encarar o preconceito em todo lugar que vai, por conta do seu problema de saúde. Além desse drama, o homem conta que foi abandonado pelos familiares.

— Muitas pessoas, às vezes, me tratam muito bem, outras me tratam mal. Ficam desfazendo de mim, me chamando de monstro, bicho, mas só que eu não posso fazer nada. Já chamei a polícia, mas a polícia não me atende.

9nhgvusd9r_298btrgfs5_filePara que os danos sejam minimizados, Sandro precisa de uma cirurgia plástica que corrija a deformação no rosto.

Por onde passa, Sandro provoca reações adversas nas pessoas. Ele confessou que já chegou a ser agredido e humilhado psicologicamente, por causa da sua aparência.

—Uma vez bateram e tomaram R$ 0,50 de mim, saíram dando risada e disseram que cego tem que andar com dinheiro.

Além dos problemas causados pelo erro médico, Sandro ainda precisa lidar com outra triste realidade, a falta de uma moradia fixa, pois o imóvel onde morava teve a estrutura danificada após um período chuvoso no município.

Mesmo com todas as dificuldades, Sandro se mantém forte diante de tantas adversidades da vida.

4tp5dlchsn_76xkpb6yr7_file

— Alguns têm nojo de mim, dão até risada. Eu sempre peço a Deus que apareça uma pessoa que olhasse para mim e fizesse um meio para que eu mudasse de vida. Eu sou normal como qualquer um.

Desesperado, Sandro faz um apelo para que seu grande sonho se torne realidade.

— Eu quero uma cirurgia para ter essa liberdade, eu sempre sonhei com isso.

Com informações e fotos da Record/Bahia