Banhista é atacada e tem dedo arrancado próximo a estátua do Nego D’água no São Francisco em Juazeiro

12321678_921916684573625_1170740346215872472_nA Juazeirense Natália Nascimento de Almeida, teve parte de um dos dedos do pé esquerdo arrancado ao tomar banho no Rio São Francisco. Em entrevista ao blog Ponto Crítico, a vítima relatou que o fato aconteceu por volta das 5h desse domingo (27), quando resolveu entrar na parte do rio que fica próximo a estátua do Nego D’água, localizada no bairro do Angarí, em Juazeiro-BA.

“A água estava normal, só estava um pouco escura. Ai eu entrei até a água ficar na minha cintura e eu só dei duas mergulhadas. Quando eu mergulhei pela segunda vez, eu senti uma mordida de leve no meu pé direito. Na hora eu comecei a gritar: Alguma coisa que tá dentro da água me mordeu! E ai eu comecei a correr para fora da água, mas quando a água estava no meu joelho, eu acho que por conta do sangue do pé direito, eu levei outra mordida no dedo do pé esquerdo. Na hora eu levantei a perna e vi que boa parte do meu dedo tinha sido arrancado.”. Relatou Natália.

A Juazeirense declarou ainda que seguiu para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Juazeiro, onde ficou  por volta de 1h em uma maca esperando para ser medicada. “Depois disso fizeram um raio-x, e eu fiquei lá praticamente o dia todo, para eles me consultarem. Ai quando foi por volta das 17h30, 18h, o médico me viu e disse que não tinha muita coisa para se fazer, pelo fato da ‘mordida’ ter sido muito grande e tá dando para ver o osso do meu dedo”.

Natália afirmou ainda que tem quase certeza de ter sido atacada por piranhas. “Eu nunca esperava que no rio ia ter isso ( se referindo a piranha.) realmente eu acho que foi uma piranha, o médico também disse que provavelmente foi uma piranha. No meu dedo ainda tem a marca dos dentes dela. Mas eu acredito que foi uma piranha pequena, se fosse uma grande tinha arrancado todos os meus dedos”.

Em fevereiro desse ano, 24 banhistas foram atacados por piranhas no Rio São Francisco na cidade de Pão de Açúcar em Alagoas. Lá, o prefeito do município acredita que os casos estão ligados à atual vazão do rio.

Por: Yonara Santos/Ponto Crítico