Bolsa sobe e dólar cai após Lula passar Bolsonaro em pesquisa estimulada

A bolsa de valores opera em leve alta e o dólar cai 1,11% nesta terça-feira (06), um dia depois do resultado da nova pesquisa eleitoral mostrar o ex-presidente Lula na frente do atual presidente Jair Bolsonaro.

Lula Bolso 1 868x644 1
Foto reprodução

Pela primeira vez desde setembro de 2019, Lula aparece numericamente à frente de Bolsonaro, com 29% das intenções de voto, contra 28%. O líder petista saltou 4 p.p. em 20 dias, ao passo que o atual mandatário oscilou positivamente 1 p.p. no período. É o que mostra nova rodada da pesquisa XP/Ipespe, realizada entre 29 e 31 de março.

XPIpespe0504B
Foto reprodução

Dada a margem de erro de 3,2 pontos percentuais, o quadro também configura empate técnico entre os dois.

No segundo pelotão, aparecem Sergio Moro e Ciro Gomes, com apoio de 9% cada. O ex-juiz federal tem hoje metade das intenções de voto que tinha um ano atrás, quando deixou o cargo de Ministro da Justiça e Segurança Pública do governo.

Na sequência, vem o apresentador de televisão Luciano Huck (sem partido), com 5%. Já Boulos, Doria e o ex-ministro Luiz Henrique Mandetta (DEM) têm, nesta simulação, 3% de intenções de voto cada um. Indecisos, votos em branco e nulos somam 12%.

Já no levantamento espontâneo, Lula agora aparece com 21% das intenções de voto para a corrida presidencial, contra 24% do presidente Bolsonaro que nesse cenário ainda lidera a corrida eleitoral.

Além da concentração de eleitores por Lula e Bolsonaro, o levantamento mostra dificuldades para uma chamada “terceira via”. Moro, Ciro, Huck, Doria e Mandetta têm somados 29% ‒ mesmo patamar de Lula.

Mas nenhum deles desponta como favorito no bloco, o que tende a criar dificuldades para a construção de uma candidatura única e capaz de concentrar os votos do grupo, além das próprias diferenças de propostas e visões de mundo destes possíveis candidatos.

Na semana passada, Ciro, Amoedo, Doria, Huck, Mandetta e o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), assinaram um manifesto em defesa da democracia.