Bomba: Timão pode perder Arena para fundo ligado à Odebrecht

Emerson “Sheik” rouba a bola à esquerda e dispara. Vai até a grande área adversária e vira o jogo para a ponta direita. Jadson toca na bola só três vezes – uma para dominar, outra para frear e deixar o zagueirão escorregar com tudo, mais uma para mandar a bola por baixo da luva de Rogério Ceni. Corinthians dois, São Paulo zero. O jogo, válido pela Libertadores, foi o mais lucrativo do ano alvinegro em 2015. A renda líquida, descontadas despesas, chegou a R$ 2,1 milhões. No Pacaembu, ficava na metade disso. A equipe de Tite, campeã nacional inconteste, colecionou bons resultados – esportiva e financeiramente – em sua primeira temporada completa na Arena Corinthians. E nem por isso salvou o clube dos maus negócios feitos por dirigentes no passado. Fragilizado financeiramente, o Corinthians está um ano mais perto de perder a operação do estádio.

gettyimages-498320864

A Arena Corinthians, levantada pela Odebrecht por R$ 985 milhões, faz muito menos dinheiro do que cartolas sonharam anos atrás. Em reunião no Conselho Deliberativo corintiano, meses antes da Copa do Mundo de 2014, o ex-presidente Andrés Sanchez mostrou projeções exorbitantes em apresentação no Power Point aos conselheiros. Previa arrecadar R$ 330 milhões por ano. O sigiloso contrato de operação, que dá ao time o comando sobre a arena, assinado em 10 de junho de 2014 e obtido na íntegra por ÉPOCA, possui uma estimativa bem mais conservadora: R$ 150 milhões anuais. A metaestipulada no documento é menor – R$ 112 milhões. O que cartolas não esperavam é que a realidade fosse ser ainda mais severa. A Arena Corinthians arrecadou R$ 90 milhões em 2015 – ou R$ 7,5 milhões por mês – conforme relatou Rodrigo Cavalcante, da BRL Trust, responsável pelo fundo que controla o estádio, em reunião do conselho corintiano na noite de 7 de março. A performance abaixo do estipulado tem efeitos negativos para o Corinthians. Em curto prazo, o clube sacrifica as próprias finanças para cobrir o rombo. Em médio, abre brecha para perder a operação da arena para o fundo.

rasgadinho

O Corinthians perde a operação da Arena Corinthians para o fundo representado pela BRL Trust, empresa do mercado financeiro indicada pela Odebrecht para administrar o estádio, se não chegar à receita mínima do contrato. É a chamada “meta anual global”. São R$ 112 milhões. Este valor é reajustado pelo IPCA do ano anterior, um índice de inflação, que em 2014 ficou em 6,4%. O time, portanto, precisava ter faturado R$ 119 milhões no estádio em 2015 para cumprir o que está documentado. Não conseguiu. Isso acende o sinal de alerta. O Corinthians só tem mais dois anos, 2016 e 2017, para não acordar em janeiro de 2018 sem o comando sobre o próprio estádio.

O problema é que, segundo dirigentes ouvidos por ÉPOCA, a meta é inatingível. O Corinthians espera finalmente vender os naming rights da Arena Corinthians em 2016. Trata-se do direito de uma empresa de rebatizar o estádio, promessa de Sanchez que se arrasta desde antes da construção, por uma boa grana. O valor negociado, segundo Emerson Piovesan, diretor financeiro do clube, chega a no máximo R$ 20 milhões anuais. O fundo da BRL Trust calcula que as bilheterias continuarão como estão, em R$ 70 milhões anuais. Desse modo, para chegar aos R$ 127,6 milhões em receita que Cavalcante prometeu a conselheiros corintianos, o estádio precisará fazer R$ 37 milhões com camarotes, cadeiras corporativas e outros patrocínios. Em 2015 a Arena Corinthians não chegou nem à metade disso mesmo numa temporada que teve título nacional e Libertadores.

Tite teria que vencer, além do Campeonato Brasileiro, a Copa do Brasil ou a Libertadores para que o estádio tivesse mais alguns jogos excepcionais – como o confronto com o São Paulo na Libertadores – em casa. E a inflação de 2015, para o azar da cartolagem, disparou. Os 10,7% do IPCA levam a meta anual para R$ 124 milhões em 2016. Trocando em miúdos, nem um Corinthians multicampeão e rebatizado com a marca de alguma companhia deve fazer tanta receita. Dirigentes sabem disso. E mesmo que fizesse, a meta dobra a partir de 2018 para R$ 211 milhões por ano. O Corinthians precisa operar um milagre duas vezes e depois dobrá-lo de tamanho.

rasgadinho3

As receitas abaixo do projetado também fragilizam o futebol alvinegro. O clube e a arena são administrações distintas – têm diretores, propósitos e contas correntes diferentes. Pelo menos enquanto o Corinthians divide a operação com BRL Trust e Odebrecht, um não deveria precisar do dinheiro do outro para sobreviver. Não é o que tem acontecido. Primeiro porque R$ 43,1 milhões em receita líquida com bilheterias que dirigentes corintianos embolsariam em 2015, já descontadas despesas, foram parar na conta da arena. Nem passaram pelo caixa da equipe. Rivais como o Palmeiras, que adotou um modelo de negócios diferente do corintiano e concedeu a operação do Allianz Parque à WTorre, mas manteve as bilheterias, hoje gozam de crescentes receitas com ingressos. Mas não é só.

Como o faturamento real do estádio não bate com o estimado, o Corinthians precisará tirar dinheiro do próprio bolso para pagar o financiamento de R$ 400 milhões do BNDES que tem a Caixa como agente financeira. As parcelas mensais são de R$ 5,7 milhões. O período de carência terminou em junho de 2015. Então foram pagas as prestações de julho, agosto, setembro, outubro e novembro. Todas com receitas da arena. Em dezembro e janeiro não há mais jogos. O estádio fecha as portas, as receitas zeram. Quem pagou a conta? Em dezembro, o fundo fez um aumento no seu número de ações para levantar R$ 5,2 milhões e quitar o “boleto” da Caixa. No início de 2016, sobrou para o Corinthians. “Realmente estávamos com muito pouco dinheiro para fazer o pagamento, mas nós antecipamos a venda de ingressos de alguns jogos do Paulista e da Libertadores. Isso gerou receita de bilheteria que nos permitiu cumprir”, diz Piovesan. O diretor financeiro nega, mas, como vendas antecipadas dificilmente somaram R$ 5,7 milhões até 15 de janeiro, data do vencimento da parcela, é matematicamente provável que o clube já tenha usado dinheiro do próprio caixa para completar as antecipações.

rasgadinho2

Os repasses de verba do clube para cobrir buracos na arena tendem a ser frequentes caso a receita continue abaixo do estimado. Por causa do contrato de operação. Para entender por que é preciso traçar a rota do dinheiro dentro da Arena Corinthians. Primeiro, toda a receita vai parar em uma conta corrente só, na Caixa Econômica Federal. É a conta arrecadadora. Diz o documento que 80% desse dinheiro têm de ser reservados para o pagamento de financiamentos, e 20% são redirecionados ao Corinthians, a título de “contraprestação mensal”, para pagar as despesas da própria arena. Só que este contrato só faria sentido se as receitas estivessem nos estimados R$ 150 milhões anuais. A cláusula sobre a contraprestação mensal devolvida ao clube em 2015 e 2016 fixa o valor em 20% dos R$ 150 milhões, portanto R$ 2,5 milhões mensais, quantia que não diminui caso o sonho não vire realidade. É o caso atual. Com R$ 7,5 milhões mensais em receita, R$ 2,5 milhões são gastos na despesa mensal do estádio, e R$ 5 milhões sobram para financiamentos. Como as parcelas custam R$ 700 mil a mais do que isso, o Corinthians fica com a corda no pescoço e tem de tirar dinheiro do caixa do clube para inteirar.

Ciente de que a conta do estádio não fecha, o Corinthians pediu à Caixa em 25 de agosto de 2015, conforme ata de assembleia geral extraordinária realizada naquele dia, a suspensão dos pagamentos do financiamento até fevereiro de 2017. A ideia do clube era ganhar tempo para formar uma reserva até voltar a pagar as parcelas mensais. O banco sinalizou positivamente aos dirigentes do clube e do estádio naquela ocasião. Mas o assunto morreu. A Caixa, sozinha, não pode decidir se posterga ou não a devolução do dinheiro. Precisa da anuência do BNDES, de quem ela própria tomou os R$ 400 milhões emprestados para repassar ao estádio. Procurado por ÉPOCA, o BNDES informa que até a última semana de março de 2016 o pedido de suspensão sequer tinha sido formalizado. Enquanto isso, os pagamentos têm de ser feitos. “A gente tem como compromisso manter as parcelas em dia e tem feito isso”, diz Piovesan.

As duas consequências que o Corinthians encara neste contrato de operação – iminente perda do comando e sangria do próprio caixa – são resultado das receitas abaixo do estimado. E por que, afinal, elas não chegaram ao projetado? Há mais de uma explicação. Primeiro, no macro, a economia brasileira desandou de vez em 2015. Inflação e juros dispararam, o consumo caiu, empresas passaram a vender menos e a demitir, o desemprego aumentou. Tudo isso faz com que patrocinadores e investidores busquem segurança. O futebol não é um investimento seguro. Segundo, no micro, o Corinthians é estrangulado por regras do contrato de operação. O fundo estabelece valores mínimos de comercialização para tudo. O ingresso não pode custar menos do que R$ 40 na arquibancada atrás do gol, nem menos do que R$ 150 de frente para o campo. Os camarotes mais valiosos, para 84 pessoas, não saem abaixo de R$ 1,5 milhão. Se o clube quiser baixar preços para adequá-los ao novo momento da economia do país, não pode. Se quiser vender dois espaços para um mesmo cliente e dar um desconto no segundo, não pode. O fundo diz as regras e as metas do jogo na operação. E o Corinthians aceita. É o contrato.

A não conclusão da arena pela Odebrecht conforme projeto também joga contra. Áreas corporativas e para fãs endinheirados, como explicou ÉPOCA em novembro, não geram tanto quanto estimado porque não estão prontas. O Corinthians demorou a confrontar a empreiteira. Apesar de ter em mãos desde agosto de 2015 um relatório do arquiteto Anibal Coutinho, responsável pelo projeto do estádio, que detalha o que deveria ter sido construído e não foi, o clube só se manifestou em 22 de março de 2016. Mesmo dia em que o vice-presidente corintiano André “Negão” Luiz de Oliveira foi levado pela Polícia Federal (PF) para depor sobre suspeita de ter recebido R$ 500 mil em propina com auxílio de Antônio Gavioli, gerente de contratos da Odebrecht e membro da Arena Corinthians. O Corinthians disse em nota que ainda não assinou o Certificado de Aceitação Final da Obra (CAF) e que contratou auditoria para investigar a construção inacabada do estádio. O comunicado foi uma reação necessária. As notícias que colocam a Arena Corinthians no mesmo balde que a Odebrecht e a Operação Lava Jato atrapalham a comercialização do estádio, inclusive a dos naming rights. As obras, inacabadas a esta altura, também. O Corinthians precisa agir.

online_corinthians_receita

Fonte: Rodrigo Capelo/Época http://epoca.globo.com/vida/esporte/noticia/2016/04/corinthians-nao-bate-meta-e-fica-mais-proximo-de-perder-controle-da-arena-para-fundo.html