Buerarema: cidade vive clima de tensão por disputa de terra

    650x375_1350098Uma casa foi incendiada ontem no município de Buerarema, a 450 quilômetros de Salvador, onde desde a semana passada foram registrados diversos conflitos por conta da disputa de terra entre agricultores e índios.

    No início da manhã deste domingo, 25, homens da Força Nacional de Segurança se deslocaram para o distrito de Vila Brasil, onde impediram que indígenas colocassem fogo no estabelecimento comercial de um agricultor, de acordo com informações do proprietário do site Macuco News, Claudio da Conceição.

    Após o incidente, as linhas de ônibus que fazem a ligação entre a sede do município e a localidade foram suspensas. As aulas nas redes municipal e estadual de ensino estão suspensas desde a última quarta-feira, diz Conceição.

    “Em relação ao que aconteceu no sábado, o clima está mais tranquilo, mas a situação é preocupante. Nem a Força Nacional de Segurança está conseguindo restabelecer a tranquilidade”, diz.

    No último sábado, foram registrados diversos confrontos entre agricultores e índios, que resultaram em pelo menos oito automóveis incendiados e diversos estabelecimentos comerciais e casas destruídas.

    Os soldados da Força Nacional de Segurança chegaram à cidade no Sul da Bahia no último dia 20, a pedido do governador Jaques Wagner para tentar apaziguar os ânimos no local. Ontem, após as notícias de acirramento dos confrontos, 150 policiais militares foram deslocados da cidade de Itabuna para a cidade de Buerarema.

    Conflito longo – Os primeiros registros de disputas entre indígenas e os agricultores na região aconteceram há oito anos, quando da Fundação Nacional do Índio (Funai) realizou um estudo em uma área que engloba mais de 300 fazendas. O processo ainda está sendo avaliado pelo Ministério da Justiça.

    No início da última semana, alguns produtores rurais da região acamparam na sede da Prefeitura, alegando ter sido expulsos das propriedades que ocupavam por índios. De lá para cá, índios e produtores rurais acusam-se de agressões.

    A Tarde Online