Campanha para ajudar cansançãoense de 11 anos alerta para a importância da doação de medula

garotoUm garoto cansançãoense de apenas 11 anos está vivendo uma dura batalha pela vida. Tiago Lopes foi diagnosticado com um tipo raro de leucemia no ano passado e viu sua vida, e de sua família, mudar por completo. Segundo a oncologista Juliana Costa, Tiago tem Leucemia Mielóide Aguda. Uma neoplasia (um câncer) dos glóbulos brancos do sangue. Por serem células defeituosas e de crescimento muito rápido e agressivo, o organismo deixa de produzir as células normais de defesa, levando a uma baixa imunidade significativa. Se não receber tratamento, o portador dessa doença morre em menos de três meses.

No início de julho, outro exame trouxe ainda mais apreensão: os pais e o irmão de Tiago não são 100% compatíveis para o transplante de medula óssea. Agora, a criança está à espera de um doador compatível. Apesar das dificuldades, o pilar que tem sustentado a família é o próprio garoto, que enfrenta a doença com um sorriso no rosto.

11694816_719817288144823_700391167308603350_nA doença
O drama de Tiago começou em maio do ano passado, quando apresentou os primeiros sinais do câncer, como: sensação de cansaço, fraqueza, tonturas, falta de ar e febre. Após passar mal, a família que é de Cansanção, levou às pressas para Salvador, onde ele passou por uma bateria de exames que apontou alteração no hemograma. A confirmação só veio após um exame da medula óssea. “A nossa luta contra o câncer começou no dia 16 de maio de 2014, quando nos foi dado o diagnóstico de leucemia, desse dia em diante o Hospital Martagão Gesteira foi a nossa casa, foram seis meses e Tiago respondeu bem ao tratamento e pôde ir para casa”, relata a mãe do menino Adelice dos Santos.

Tiago gostou da notícia de voltar para casa e rever os amiguinhos. Mas em março de 2015, após um exame de manutenção, os médicos descobriram que a doença havia se agravado. De acordo com Juliana, ele não respondeu bem ao tratamento de quimioterapia e a doença voltou, e sua única chance de sobreviver é o transplante.

Campanha
“Como nós da família não somos compatíveis, o grupo de voluntários Seja Semente está nos ajudando com a campanha ‘Sou Semente’, nas redes sociais e nos meios de comunicação para conseguir achar um doador. Sabemos que é muito difícil encontrar um doador compatível com o receptor, a chance é em média, de uma em cem mil, mas temos fé de que vamos conseguir, por isso, peço que a população de Salvador e de outros estados que nos ajude, vá até o Hemoba e dê o nome do Tiago Santos Lopes, você pode salvar uma vida”, informa Adelice.

11331324_720616958064856_723164142_nNo dia 18 de julho, o grupo Seja Semente reuniu 50 voluntários no Hemoba que se inscreveram na Redome para fazer parte do Cadastro Nacional de Doadores de Medula Óssea. Na ocasião, os voluntários também aproveitaram para doar sangue. “A nossa intenção é conseguir o máximo de doadores possíveis, orientar a população quanto ao processo de doação de medula óssea, que se retira somente 5 ml de sangue, e conscientizar as pessoas sobre a importância de se tornar um doador”, afirma a idealizadora e voluntária da Seja Semente, Marília Pires.

Ainda existe muita resistência da população para se tornar um doador de medula óssea por falta de informação. “As pessoas confundem medula óssea com medula espinhal, acham que vão ficar sem andar, ou que vai doer, ou alguma coisa do tipo. Para fazer o teste para saber se você tem alguma compatibilidade com alguém e daí ser doador de medula óssea, basta fazer um exame de sangue como qualquer outro, colhe-se 5 ml de sangue da veia periférica. Depois, quando for comprovada a compatibilidade, a pessoa é convidada a doar a medula e, se aceitar, existem dois processos para coleta: ou no centro cirúrgico, sob sedação, com a coleta da própria medula óssea (coleta realizada no osso da bacia através de aspiração por agulha própria), ou coleta das células tronco hematológicas através de uma máquina própria. Procedimento este quase indolor”, explica a oncologista Juliana Costa.

hemobaQuem pode doar:
– Qualquer pessoa entre 18 e 55 anos com boa saúde e sem antecedentes de câncer poderá doar medula óssea;
– Diabéticos podem doar;
– Pessoas grávidas ou amamentando podem doar;
– Pessoas que têm pressão alta podem doar;
– Não há nenhuma restrição quanto a meningite, anemia ou hepatite ‘A’ que a pessoa tenha tido anteriormente;
– Não há peso mínimo;
– Pessoas que têm tatuagem podem doar;

Como fazer a doação:
– É possível se cadastrar como doador voluntário de medula óssea nos Hemocentros nos estados;
– Os doadores preenchem um formulário com dados pessoais e é coletada uma amostra de sangue com 5ml para testes. Estes testes determinam as características genéticas que são necessárias para a compatibilidade entre o doador e o paciente;
– Os dados pessoais e os resultados dos testes são armazenados em um sistema informatizado que realiza o cruzamento com dados dos pacientes que estão necessitando de um transplante;
– No caso de um receptor compatível, o doador será convidado a fazer a doação. A medula é retirada com anestesia, por meio de uma punção no interior de ossos da bacia, e se recompõe em apenas 15 dias;
– O doador de medula óssea deve manter seu cadastro sempre atualizado;

Para ser um doador, é necessário realizar um cadastro no Hemoba. Em Salvador há duas unidades, uma na Ladeira do Hospital Geral S/N, Brotas, 2° andar, horário de funcionamento: seg a sex de 7h30 às 18h30 e sáb de 7h30 às 13h. A outra unidade fica no Hospital Santo Antônio, na Av. Bonfim, 161, Largo de Roma e funciona de seg a sex de 7h10 às 11h30 e de 13h às 18h.  Outras informações podem ser obtidas pelos telefones (71) 3116-5664/5600 ou 3310-1219.

Para participar da campanha e obter mais informações sobre o garotinho Tiago Lopes visite a página do facebook Sou Semente ou ligue para o grupo de voluntários Seja Semente (71) 9226-9564.