Cansanção comemorou o seu 55° aniversário de emancipação política

    SAM_1067Nesta segunda-feira 12 de agosto, Cansanção completa 55 de emancipação política, porém as comemorações do aniversário da cidade aconteceram ontem (11).

    Durante o dia houve muitas atividades culturais e a noite foi realizado mais um concurso de fanfarras, por volta das 23:30h aconteceu o tradicional corte do bolo com a presença do prefeito Ranulfo Gomes, vice Paulinho, secretário Frederico Macêdo, vereadores e lideranças políticas locais.

    As apresentações musicais começaram  meia noite com a praça completamente lotada, Rozí Matos abriu a festa, logo após se apresentaram Paixão Latina, Ponto G, Rebolart e o Rei da Pisadinha Nelson Nascimento que animou a galera até o dia amanhecer.

    A HISTÓRIA DA EMANCIPAÇÃO POLÍTICA DE CANSANÇÃO

    SAM_1047Dr. Nonato Marques, Engenheiro Agrônomo e Deputado Estadual, casado com Dona Arabela, filha de um dos patriarcas cansançãoense que era Domingos Manoel de Jesus, foi o pivô de um longo processo visando a Emancipação Política de Cansanção. Foi a pedido de Arabela que Dr. Nonato se interessou nesta emancipação.Foi para Salvador, na época o Governador era Dr. Regis Pacheco, e como político e Deputado, Dr. Nonato se tornou Assessor do Governo. Foi aí que Arabela viu a oportunidade de ver sua Terra ser emancipada e desmembrada de Monte Santo, pedindo ao seu marido Nonato que tinha chegado a hora de ver Cansanção como um Município e ele como Assessor do Governador teria maior influência, os caminhos ficariam mais fáceis, que ele se interessasse em interceder junto ao Governador. Assim teve início um processo de Emancipação Política.

    SAM_1045A Vila de Cansanção tinha uma equipe interessada nessa emancipação, sendo ela composta pelos Senhores: João Andrade; João Coelho Sobrinho; Arquias Silva; Maximiano Santana; Salustiano José de Santana. Esse grupo era unido, viajaram varias vezes de trem para Salvador ao encontro de Dr. Nonato para verem como estava o andamento do processo de emancipação. Quando não ia toda a equipe, sempre algum deles tomava a frente, principalmente o Sr. João Andrade, mas as despesas eram divididas entre os membros dessa equipe. Eis que o processo chegou ao fim e o Governador Dr. Regis Pacheco assinou o Ato que conferiu Jurisdição Política à então Vila de Cansanção em 12 de julho de 1954, através da Lei nº 1.018/58 de 12 de Agosto de 1958. Assim parecia ter nascido o Município de Cansanção, mas essa alegria não durou SAM_1058muito. Laurentino Tolentino de Silva que era o Prefeito de Monte Santo na época, recorreu e conseguiu reverter o Ato do Governador, voltando assim Cansanção a ser uma Vila no Município de Monte Santo, mas a Equipe já referida não se conformou e novamente arregaçou as mangas com o objetivo de fazer valer o que achavam ser justo e foi então que o Dr. Nonato Marques empreendeu maior força junto ao Governador, desta feita como questão de honra. Ainda assim Cansanção continuou como uma Vila, dentro do Município de Monte Santo por mais quatro anos. Nesse intervalo o Governador Dr. Regis Pacheco veio a falecer, assumindo então o Dr. Antonio Balbino, novo Governador da Bahia. Dr. Nonato sendo da confiança do novo Governador conseguiu que Cansanção se emancipasse no dia 12 de agosto de 1958.

    Depois da emancipação política era preciso um representante para o novo Município, um Prefeito e assim foi escolhido o Senhor Geraldo Alves Martins que comprou moveis e utensílios para guarnecer o imóvel que passou a servir como a Prefeitura, e ficou como gestor, o chamado “Prefeito Tampão” por seis meses até que houvesse uma eleição para a escolha do Prefeito através do voto do popular. Em seguida o novo Município teria que ter também Partidos Políticos e na Época os Partidos Legais no Brasil eram P.S.D. e U.D.N. Pelo P.S.D. foi escolhido João Andrade e para a chapa da U.D.N. o Sr. Tomaz Araújo Damasceno, conhecido por “Marinho” que foi convidado por João Coelho Sobrinho e Arquias silva que foram à cavalo até a Fazenda Gato onde residia o Sr. Tomaz e lá chegando formularam o convite para que ele fosse o Candidato a Chefe Político de Cansanção concorrendo pela chapa da U.D.N. disputando com a Chapa do P.S.D, encabeçada por João Andrade, com a condição de que o Sr. Tomaz tivesse que mudar-se da Fazenda Gato para o novo Município e cidade de Cansanção, com o que ele além de aceitar o convite também concordou em fixar residência aqui.

    Ocorreu a eleição onde o Sr. João Andrade foi eleito como já era esperado e na eleição seguinte, após quatro anos de mandato de João Andrade (1959/1963) foi a vez do Sr. Tomaz Araújo Damasceno comandar Cansanção no período de 1963/1967.