Cansanção fez primeira audiência da comarca por videoconferência; réu estava em Feira de Santana

A juíza Mariana Martin presidiu a sessão da comarca de Cansanção; o réu está preso no Conjunto Penal de Feira de Santana
A juíza Mariana Martin presidiu a sessão da comarca de Cansanção; o réu está preso no Conjunto Penal de Feira de Santana

A comarca de Cansanção, a 350 quilômetros de Salvador, realizou a sua primeira audiência por videoconferência, na última semana. A juíza da comarca, Mariana Martins, presidiu a sessão em parceria com a 2ª Vara Criminal de Feira de Santana, onde estava o réu do processo.

Durante a audiência, foram ouvidas três testemunhas de acusação. Outras duas testemunhas estavam ausentes. O Ministério Público desistiu de ouvir uma delas, mas insistiu na oitiva da segunda, o que levou ao agendamento de nova audiência em continuação para ontem, 30 de agosto (terça-feira), às 11h30.

A videoconferência permitiu que todos os participantes pudessem ver e ouvir o ato processual na íntegra
A videoconferência permitiu que todos os participantes pudessem ver e ouvir o ato processual na íntegra

O processo tramita em Cansanção, comarca de jurisdição plena. O réu, denunciado pelos crimes de porte ilegal de arma, resistência, receptação, está custodiado no Conjunto Penal de Feira de Santana. Técnicos da Secretaria de Tecnologia e Informação (Setim) do Tribunal de Justiça da Bahia apoairam a realização da videoconferência.

“O apoio da Setim foi indispensável para proceder aos ajustes técnicos de áudio e vídeo, o que permitiu com que todos os participantes da audiência nas duas comarcas pudessem ver e ouvir todo o ato processual na íntegra e de forma bastante célere”, destacou a juíza Mariana Martins.

De Feira de Santana, participaram da audiência o juiz Júlio Gonçalves da Silva Júnior e o promotor de Justiça Marcos Peixoto.

As audiências por videoconferência, já realizadas em diversas comarcas baianas, promovem rapidez processual e economia, evitando custos de deslocamento, e trazem mais segurança.

*Com informações da Ascom TJBA