Carreata incentivada por Bolsonaro pode ter contribuído para a explosão do Covid-19 em Manaus

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) incentivou, por meio de uma chamada de vídeo, uma carreata que pedia o fim das medidas de isolamento social em Manaus.

A carreata ocorreu no dia 27 de março. Mais de um mês depois, a situação na cidade só se agravou. A capital do Amazonas registra um colapso funerário e em seu sistema público de saúde devido à pandemia do novo coronavírus. No estado foram registrados 425 mortes e 5.254 casos confirmados de covid-19, de acordo com o último balanço oficial do Ministério da Saúde.

d29efc3b 331f 4d32 98e3 d08cb020be5f
Foto reprodução

Na ocasião, o presidente da República acompanhou com demonstrações de aprovação e sorrisos o movimento organizado por empresários manauaras que defendiam a volta do funcionamento do comércio e a circulação de pessoas e tentavam pressionar o governo estadual com o movimento “O Brasil não pode parar”.

Três dias antes da carreata, Bolsonaro declarou, em pronunciamento aos brasileiros, que a covid-19 era “uma gripezinha”. Procurado pelo UOL, o Palácio do Planalto afirmou que “não comentará” o assunto.

“Vamos trabalhar”

Durante a carreata de março, o superintendente da Suframa (Superintendência da Zona Franca de Manaus) e coronel da reserva do Exército, Alfredo Menezes, saiu do carro e mostrou por chamada de vídeo ao presidente as imagens do protesto.

Na ocasião, Menezes, amigo de Bolsonaro, relatou que o presidente sorriu e disse: “É isso, aí. Vamos trabalhar”.

A frase de Bolsonaro, então, foi repetida pelas pessoas que estavam próximas de Menezes durante a chamada de vídeo, nas ruas de Manaus.

Nas imagens de vídeo, o presidente aparece sorridente ao ver a carreata e a manifestação de seus apoiadores na capital do Amazonas.

A carreata começou em uma das principais avenidas de Manaus, Djalma Batista, zona Centro-Sul da cidade, foi até o complexo turístico Ponta Negra, Zona Centro-Oeste. Segundo Menezes, cerca de 600 veículos, entre caminhões, de passeio e motos participaram do protesto.

A carreata se posicionou contra os decretos do governador do Amazonas, Wilson Lima (PSC), que determinou a diminuição da circulação de pessoas em comércio não essencial e orientou o isolamento social da população, segundo a recomendação do Ministério da Saúde e da OMS (Organização Mundial de Saúde).

“Ainda estamos vendo muitas pessoas pelas ruas. E aí dá vontade de parar essas pessoas ou de usar um megafone e mandá-las para casa. Então, por favor, fiquem em casa. Quem puder, fique em casa. Existem as exceções: não podemos parar padarias, supermercados, drogarias, algumas áreas sensíveis do Distrito Industrial”, disse a diretora-presidente da FVS (Fundação de Vigilância Sanitária do Amazonas), Rosemary Costa Pinto.

Outras duas carreatas foram realizadas pelo mesmo grupo neste mês de abril.

“Presidente desmobilizou”, diz prefeito de Manaus

O prefeito de Manaus, Arthur Virgílio Neto (PSDB), voltou a defender o isolamento social e criticar a postura do presidente Jair Bolsonaro, segundo material divulgado pela Semcom (Secretaria Municipal de Comunicação), no site da Prefeitura de Manaus.

“Passa da hora dessas piadas. É messias, mas não faz milagre. Ninguém espera milagre dele. O que espero é um avião cheio de remédios, de EPIs, instrumentos médicos”, declarou Virgílio.

O prefeito defende uma maior radicalização no isolamento para salvar vidas na capital amazonense. “Não vejo outra saída para Manaus, nem para o Brasil, se não um rigoroso isolamento social. Aqui não funcionou por duas razões: primeiro uma certa rebeldia das pessoas e outro fator é o discurso desmobilizador do presidente. Até o presidente Trump recuou da sua tolice, por eleição ou não, mas todos o seguiram”, criticou Arthur Virgílio. (Fonte: UOL)