Cenário de Guerra: Guardas de “Maduro” atacam moradores na fronteira da Venezuela com a Colômbia

Membros da Guarda Nacional da Venezuela atiraram bombas de gás lacrimogêneo contra moradores que limpavam uma estrada cercada por barricadas perto da fronteira com a Colômbia.

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, está há semanas em um impasse com opositores políticos, que questionam a legitimidade de sua eleição para um segundo mandato . Esse impasse chegou a um ponto em que se discorda se deve ser permitida uma tonelada de ajuda humanitária, doada principalmente pelos Estados Unidos, à Venezuela, do outro lado da fronteira colombiana.

Juan Barreto / Agence França-Presse – Getty Images

Maduro recusou o auxílio. Mas seus adversários – liderados por Juan Guaidó, que obteve apoio internacional quando se declarou presidente interino da Venezuela no mês passado – prometeram trazer os suprimentos à força no sábado. Conseguir a ajuda seria uma vitória simbólica para a oposição e sinalizar o aperto do poder de Maduro.

Foto reprodução/Wall Street Journal

A ajuda, incluindo alimentos e remédios, é desesperadamente necessária na Venezuela, onde as condições têm piorado nos últimos meses. A inflação disparou, a fome é endêmica e os hospitais não têm remédios. Mais de três milhões de pessoas fugiram do país, muitas a pé , provocando uma crise migratória regional.

Gás lacrimogêneo disparado contra manifestantes na cidade fronteiriça da Venezuela.
Logo após o amanhecer na cidade fronteiriça venezuelana de Ureña, os moradores locais desafiaram as ordens do governo e tentaram invadir a ponte para a Colômbia, na esperança de abrir caminho para a ajuda humanitária.

Foto reprodução/Wall Street Journal

Membros da Guarda Nacional da Venezuela dispararam gás lacrimogêneo contra o grupo enquanto tentavam remover cercas e barreiras que bloqueavam a ponte.

O impasse entre os jovens de peito nu, muitos com os rostos cobertos, e as linhas de policiais militares lembrava as ondas de larga escala de protestos antigovernamentais que tomaram conta do país em 2014 e 2017, que deixaram centenas de mortos .

Violência mortal irrompeu na fronteira com o Brasil.
Na sexta-feira, forças de segurança dispararam contra um grupo de venezuelanos , que protestavam perto da fronteira com o Brasil contra a decisão de Maduro de bloquear a ajuda.

Pelo menos dois civis foram mortos e mais de uma dúzia de feridos no confronto na área da Gran Sabana, de acordo com Américo de Grazia, um legislador de oposição do estado de Bolívar. A área de Gran Sabana é habitada pelos Pemón, uma comunidade indígena.

Ricardo Delgado, líder da Pemón, disse que as tensões que levaram ao confronto começaram no início da manhã quando um comboio militar tentou chegar a um posto de controle na fronteira como reforço. Um grupo de manifestantes indígenas bloqueou sua passagem. O comboio partiu, mas depois retornou e os militares começaram a atirar nos manifestantes.

....