Com chuvas, Salvador tem quase 40 deslizamentos de terra

    chuvassaO temporal que cai em Salvador desde ontem (24) provoca uma série de transtornos aos moradores da capital baiana. Segundo a Defesa Civil de Salvador (Codesal), até as 15h40 de ontem foram registradas 121 solicitações de emergência, sendo que 37 delas foram em decorrência de deslizamentos de terra.

    No dia 17 de abril, os moradores de uma invasão que fica no bairro do Doron, em Salvador, sofreram com um alagamento. As casas foram construídas ao lado de uma lagoa que sempre transborda quando chove mais forte.

    Nesta quarta-feira, a Codesal informou que foram contabilizados quatro alagamentos de área, três alagamentos de imóvel, 19 ameaças de desabamento de imóvel, quatro ameaças de desabamento de muro, 25 ameaças de deslizamento de terra, três ameaças de queda de árvore, quatro árvores caídas, três avaliações de imóvel alagado, três desabamentos de muro, três desabamentos parciais, um destelhamento, um incêndio, três infiltrações, três orientações técnicas e uma pista rompida.

    foto_1Previsão
    Segundo a meteorologista do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), Marinês Carmen Cardoso, o tempo deve continuar nublado com pancadas de chuva até domingo (28).  “A partir de domingo vai dar uma melhorada. Deve abrir [o tempo] na segunda, na terça. Mas isso não quer dizer que novos dias com chuva não virão”, alerta. O período chuvoso na Bahia vai de abril até junho.

    A meteorologista conta que, do dia primeiro de abril até esta quarta-feira, choveu 146,3 milímetros. A média de todo o mês é de 326,2 mm. “Está dentro da média. Estava bem baixo no início do mês e, com a chuva da semana passada, aumentou”.

    Por conta dos ventos, uma árvore chegou a cair na Avenida Centenário, uma das mais movimentadas da capital baiana, na manhã desta quarta. Marinês Carmen conta que os ventos fortes são normais nessa época do ano. “É normal com a passagem das frentes frias. Durante o dia a velocidade do vento modifica muito. Ele pode estar mais intenso, mais fraco”. Segundo a meteorologista, às 15h desta quarta-feira, os ventos estavam a 2,8 metros por segundo. Na semana passada, eles chegaram a 5,9 metros por segundo.

    As Informações são do G1/Fotos: Paula Fróes e Hugo Brito