Criança indígena é encontrada amarrada em praça no interior da Bahia

criancaUma criança indígena que aparenta ter cerca de 3 anos foi encontrada amarrada a uma estrutura de ferro, semelhante a uma barraca, na Praça da Bíblia, no Centro deTeixeira de Freitas, no Sul na Bahia, na manhã de terça-feira (24). De acordo com a polícia, moradores da região acharam o menino e acionaram a polícia, que chamou a Assistência Social e o Conselho Tutelar do município.

De acordo com a assistente social Sirlene Bernardina Silva, que acompanhou o caso, ao chegar ao local a criança estava recebendo ajuda de policiais militares e jornalistas. “Ela estava amarrada pelo pé e sendo cuidada por um policial e por uma repórter, que estava com ela no colo”, relatou.

Moradores informaram que uma mulher indígena havia sido localizada no bairro de Timotão, bem distante de onde o menino foi achado, e identificada como a mãe do pequeno. Ela estaria jogada no chão de um campo de futebol, totalmente embriagada.

Os órgãos municipais envolvidos na ação tentaram contato com a mulher, mas não conseguiram entender o que ela dizia, por não falarem o idioma dela e pelo estado de embriaguez em que ela se encontrava.

Segundo Sirlene, a mulher e a criança fazem parte de um grupo de cerca de 50 indígenas que vagam pela região pedindo esmolas e bebendo. O grupo pertence à localidade de Machacalis, emItanhém, próximo à divisa com Minas Gerais.

“De manhã, nós já tínhamos reunido em um ônibus uns 50 indígenas para levá-los de volta ao destino deles. À tarde, me ligaram para dizer que havia outros na rua e essa criança amarrada. Os índios informaram que a mãe da criança que amarrou o filho saiu andando sem destino, alcoolizada”, contou a assistente social.

Ainda de acordo com Sirlene, frequentemente é preciso mandar os índios de volta para seu local de origem, o que não é incumbência da entidade. Segundo ela, os órgãos responsánveis não se pronunciam sobre a situação.

“Isso é com frequência que ocorre, e sempre a assistência social tem que estar levando eles, sendo que não é nosso papel. Eles ficam completamente embriagados e não têm noção do estão fazendo, [são] quase seres irracionais, inocentes. Quando vamos levá-los, temos que esperar a boa-vontade deles e dá muito trabalho conseguir reuni-los, porque eles fogem. As crianças ficam ao relento. Nós deixamos de fazer o nosso serviço para ajudá-los, porque, afinal de contas, são seres humanos”, destacou Sirlene.

Segundo a assistente social, cerca de 20 crianças vivem com o grupo, e não se sabe como nem por que os indígenas saem de sua região rumo a Teixeira de Freitas. Alguns deles dizem que chegam ao local pedindo carona, fato que gera desconfiança entre as autoridades.

O Conselho Tutelar da cidade, que também acompanhou a operação, informou que a criança e a mãe foram levadas de volta a seu local de origem, junto com o grupo. O caso foi registrado na polícia e será denunciado ao Ministério Público.

G1 procurou a Fundação Nacional do Índio (Funai) para prestar esclarecimentos, que disse que vai apurar as informações. Até o momento da publicação desta reportagem, não houve retorno sobre a situação. (G1/BA)