Debate sobre seca acirra ânimos entre governo e oposição na Assembleia

    debateGoverno e oposição tiveram forte embate na Assembleia Legislativa da Bahia, durante a realização de uma audiência pública sobre a seca que atinge o Estado, promovida pela Comissão de Meio Ambiente, Seca e Recursos Hídricos, presidida pelo deputado estadual Leur Lomanto Jr. (PMDB). A presença do coordenador Estadual para Ações de Convivência com a Seca, secretário da Casa Civil, Rui Costa (PT), que apresentou um balanço das ações do governo estadual e federal na Bahia para minimizar os efeitos da estiagem, motivou a discussão entre os deputados. Após a exposição de duas horas do secretário, os parlamentares compararam os investimentos feitos na gestão anterior e na atual no Estado, em um clima de provocações que tocou até mesmo nas eleições de 2014, sendo Rui citado como “candidato oficial do PT” para a sucessão.

    A necessidade de desburocratizar os trâmites para que as ações cheguem aos municípios foi um dos destaques. O presidente do colegiado ressaltou o cumprimento do debate como uma forma de esclarecer quais das ações anunciadas têm chegado aos lugares mais atingidos pela grave seca. “Cumprimos nosso papel de discutirmos as demandas da seca, o que pode subsidiar os organismos e entidades a gerenciarem melhor esse período de dificuldades, e minorar os prejuízos para produtores, agricultores e todos os cidadãos que têm sido impactados pelo fenômeno. Foi uma grande oportunidade para o governo destacar o que tem sido realizado, para os deputados de apresentarem suas idéias, questionamentos e propostas e para o público presente de avaliar o problema,”, disse Leur Jr.

    Embora tenha sido bastante pressionado pelos deputados da bancada de oposição, que contestaram os dados apresentados, o secretário Rui Costa destacou como positiva a reunião. “Aqui é a casa do povo e da política. Foi excelente porque trouxe mais informação para o Parlamento e nos possibilita novos elementos e idéias”. Segundo ele, o governo tem investindo em programas e obras, na região do semiárido, a exemplo da construção da adutora de Juazeiro, que atenderá 38 municípios, beneficiando 1,1 milhão de pessoas. Conforme o coordenador estadual, o governo federal também deve investir cerca de R$2 bilhões na Bahia, entre obras, financiamentos e bolsa estiagem.

    O líder da oposição, deputado Elmar Nascimento (PR) contestou os dados apresentados. “Se tivessem gasto isso tudo não falávamos mais em seca na Bahia. São sete anos de governo e somente agora identificaram que teria que fazer obras?”, questionou. O líder do governo, deputado Zé Neto (PT) contrapôs ao dizer que faltaram as gestões passadas também promoverem investimentos. “Precisamos sair daqui com menos palanques e mais soluções”, afirmou.

    Fonte: Política Livre