Desconhecido salva mulher após acidente e a pede em casamento no hospital

acidente_novoUma tragédia que virou história de amor. A frase pode até parecer clichê, mas é assim que o casal Nilton Natalino Neves, de 47 anos, e Magna Sousa Carrijo, de 48 anos, se refere ao relacionamento que começou no dia 31 de outubro de 2013, data em que a dona de casa foi resgatada caminhoneiro de Ribeirão Preto após sofrer um acidente de carro pela BR-364 próximo a Rondonópolis, no estado de Mato Grosso. Neves, que socorreu Magna após vê-la capotar ribanceira abaixo, diz que o sentimento quando a pegou nos braços após retirá-la do veículo foi arrebatador. “Foi como se tivesse aberto um baú de tesouro. Enxerguei uma luz maravilhosa”, conta.

O resgate

Nilton parou o caminhão no acostamento e desceu o barranco onde o carro estava Segundo Neves, era impossível abrir as portas do veículo, completamente destruído. Para conseguir resgatar Magna, o vendedor precisou quebrar o para-brisa. “Ela ainda estava consciente, então pedi para ela proteger o rosto e quebrei o vidro com um pedaço de madeira. Foi aí que aconteceu uma coisa inexplicável. Foi como se tivesse aberto um baú de tesouro. Enxerguei uma luz maravilhosa”, explica.

acidente_novo7Magna conta que não se lembra exatamente do momento do acidente, mas tem nítida na memória a imagem do vendedor se aproximando de seu carro. “Me senti protegida quando ele apareceu. Caí num barranco, e meu medo era ninguém aparecer e eu morrer ali. Quando ele surgiu, vi que era um anjo da guarda na minha vida”, diz.

Logo após retirar Magna do carro, Neves conta que a dona de casa desmaiou. Outras pessoas que passavam pela estrada também pararam para prestar socorro. Com a ajuda delas, o vendedor deitou a vítima no chão, até que a dona de casa retomasse a consciência. Neves conta que passou o tempo todo conversando com Magna e tentando acalmá-la.

“Peguei o telefone da família dela e comecei a ligar para avisar do ocorrido. Todos os parentes estavam muito distantes, e não tinha como eles chegarem até o local do acidente. Nesse momento já vi que eu não conseguiria abandoná-la”, diz. Com a demora na chegada da ambulância, o desespero de Magna aumentou. “Ela sofre de síndrome do pânico e começou a se desesperar. Peguei na mão dela, fiquei segurando e disse: nunca segurei a mão de uma mulher tão bonita. Ela conseguiu olhar para mim e dizer obrigada.”

acidente_novo6Pedido de casamento

Com a chegada da ambulância, Neves acompanhou Magna até um hospital em Rondonópolis, cerca de 80 quilômetros do local do acidente. Lá, o vendedor acompanhou os exames feitos pela dona de casa e tomou coragem para fazer uma proposta um tanto inusitada para o momento: pediu Magna em casamento.

“Estava com ela na sala de exames, quando ela virou para mim e disse que não sabia o que fazer para agradecer o apoio que eu estava dando. Eu só disse: Simples, casa comigo. Na hora ela deu risada e disse que não daria certo. Disse que eu era caminhoneiro, viajante, e que ela era muito agarrada nos relacionamentos. Aí ela foi transferida para um quarto e a enfermeira perguntou se éramos casados. Aproveitei e disse à mulher que eu tinha acabado de pedir a Magna em casamento, mas que ela não queria. Nisso ela já deu uma risada na cama e disse que isso [casamento] era coisa de se pensar”, afirma.

Neves então deixou o hospital e continuou sua viagem até Jaciara. Na volta, passou pelo hospital em Rondonópolis, mas Magna já havia deixado a unidade. O vendedor voltou para Ribeirão Preto (SP), e continuou mantendo contato com a dona de casa por telefone. Oito dias depois, Neves e Magna combinaram de se encontrar pessoalmente. “A família dela queria me conhecer e ela brincava no telefone que eu precisaria ir até Rio Verde para oficializar o pedido de casamento. Eu ia viajar a trabalho para Goiás naquela semana, e resolvi ir”, diz.

E foi. Na noite de 8 de novembro, Neves comprou roupa nova, montou uma cesta de chocolates e foi até a casa de Magna. Após horas de conversa com os familiares da pretendente, rolou o primeiro beijo do casal. “Até então eu tinha levado aquele pedido de casamento na brincadeira. Achava que ele estava fazendo aquilo para me descontrair, porque eu estava sentindo muita dor. Mas quando ele apareceu na minha casa eu percebi que ele estava realmente a fim de levar uma coisa séria”, afirma Magna.

Vida a dois

Uma semana depois, o vendedor voltou novamente a Rio Verde – e desta vez empenhado em carregar Magna na boleia do caminhão rumo a Ribeirão Preto. E foi no fim do feriado de 15 de novembro que o casal pegou estrada junto pela primeira vez. De lá para cá, Magna, agora recuperada do acidente, passou a morar com Neves e o segue semanalmente nas viagens a trabalho. “Foi uma tragédia que nos uniu. O Nilton foi um grande presente na minha vida”, diz a dona de casa.

Com informações e fotos de Fernanda Testa Do G1 Ribeirão e Franca