Economia: Veja se vale a pena pedir um empréstimo consignado

credito_consignado_brasilUma pesquisa realizada pelo Portal Meu Bolso Feliz, uma iniciativa de Educação Financeira do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), revela que três em cada dez brasileiros (34%) já fizeram empréstimos consignados.

Com a taxa de empregabilidade brasileira estável, esse tipo de empréstimo é cada vez mais utilizado no país.

Entenda porque essa modalidade de crédito é uma das mais baratas do mercado, saiba quem pode ter acesso a ela e em quais situações recomenda-se contratá-la.

O crédito consignado nada mais é que um tipo de empréstimo que é cobrado do salário ou da aposentadoria antes mesmo que o trabalhador ou o aposentado possa por as mãos nesse dinheiro.

Como o risco de calote para quem empresta o dinheiro é muito baixo — já que as parcelas da dívida são descontadas diretamente do rendimento da pessoa que toma o dinheiro emprestado — essa modalidade de crédito é uma das mais baratas e mais populares do mercado.

“O empréstimo consignado oferece a vantagem de pegar dinheiro emprestado a juros muito baixos. Por outro lado, a pessoa que toma esse tipo de crédito precisa aprender a conviver com um salário ou renda menor”, alerta o educador financeiro do SPC Brasil, José Vignoli.

Outra informação fundamental diz respeito ao limite máximo que essa linha de empréstimo admite. É que de acordo com as determinações do Banco Central, o valor da parcela do empréstimonão pode ser maior do que 30% do salário ou da aposentadoria da pessoa que toma emprestado. Sendo assim, se um trabalhador ganha R$ 1,8 mil por mês, o valor de cada parcela não pode ser maior do que R$ 600.

Em qual situação contratá-lo?

A pesquisa perguntou para os consumidores sobre a situação em que eles contrataram o empréstimo consignado. “Pagar dívidas de outros empréstimos como as do cartão de crédito” aparecem em primeiro lugar, com 47% das respostas, seguidas de “comprar eletrodomésticos e móveis”, com 15% e “pagar contas como aluguel, condomínio, luz, telefone, escola”, com 14% das respostas.

“O crédito consignado deve ser acionado em situações de sufoco como pagar uma dívida muito cara como, por exemplo, o rotativo do cartão de crédito, que cobra um dos juros mais caros do mercado ou em situações de emergência quando o consumidor se sente naquela situação em que o teto da casa cai”, orienta José Vignolli.

Por outro lado, segundo o orientador financeiro, pagar contas ou comprar eletrodomésticos são situações que devem ser programadas com antecedência e podem perfeitamente ser encaixadas no orçamento da família.

“O crédito foi criado para ser usado e para realizar sonhos importantes, em situações em que muitas vezes não poderiam ser concretizadas de imediato. Porém, precisa ser utilizado com sabedoria e planejamento para que o sonho não se torne uma dívida”, diz o educador.

Quem pode pedir esse empréstimo?

Basicamente os trabalhadores com carteira assinada (desde que o empregador tenha convênio com o banco), os funcionários públicos, os pensionistas e os aposentados. Os bancos em geral tendem a dar condições melhores aos funcionários públicos e aos aposentados por conta da estabilidade nos recebimentosque em média esse tipo de pessoa tem.

“O fator mais determinante para calcular o custo do juro é o risco de calote de quem empresta o dinheiro. Por exemplo: como um trabalhador de empresa privada tem maiores chances de ser demitido do que um servidor público, é natural que o servidor, por conta da sua estabilidade, consiga empréstimos em melhores condições do que o trabalhador de empresa privada”, explica Vignoli.