“Ele estava nos meus braços e eu não consegui fazer nada”, lamenta avô de bebê baleado na Bahia

av“Ele estava nos meus braços e eu não consegui fazer nada. Por um milagre eu não fui atingido também”. Emocionado, Rubem Alberto da Silva Lago, 69 anos, resumiu seu desespero quando percebeu que seu neto, o bebê Mario Gabriel Lagos Sansão, de um ano e oito meses, foi atingido por uma bala perdida, na manhã do domingo (30), por volta das 9h30, na Rua Poli, na Estrada da Cocisa, em Paripe.

O menino estava na porta de casa, no colo do avô, quando dois grupos de traficantes rivais começaram a atirar. O tio do menino, Rubem Alberto da Silva Lago Junior, 29, contou que ele estava fazendo um serviço em seu carro na porta de casa e o pai chegou com o sobrinho e eles ficaram lá conversando.

“De repente a gente ouviu os disparos e todo mundo começou a correr e se abaixar”, lembrou. De acordo com Rafael Chaves, 26 anos, vizinho da vítima, foram cerca de três bandidos de duas facções rivais que começaram o tiroteio. “Eles pareciam ser menor de idade. Quando viram que o bebê levou o tiro um deles falou: ‘o tiro pegou no menino, vamos, vamos!’ E foram embora”, disse.

O tiro atingiu a barriga da criança. Segundo a tia do bebê, Geisa Lago, 30 anos, o menino passou por uma cirurgia na manhã de ontem, mas de acordo com informações de funcionários do hospital repassadas à família ele não corria risco de morte.

Ainda segundo a tia, os pais da vítima, o chefe de armazém Mario Sansão, 39 anos, e a doméstica Tatiane Sousa Lago, 31 anos, estão muito abalados.

“Eles não querem nem falar e nem aparecer, porque estão com medo”, disse. Ele tem ainda mais uma irmã, de 8 anos, e três irmãos por parte de pai.

O vizinho Rafael Chaves contou que o local vive a mercê da guerra do tráfico e que a troca de tiros entre traficantes é frequente. “Lá é só bala e fogo. E nós moradores ficamos reféns dentro de casa com medo de sair”, falou.

O tio do menino revelou que existem duas bocas de fumo no bairro de facções rivais e que elas disputam o poder no tráfico de drogas da região constantemente.

Agentes da 5ª Delegacia de Polícia, em Periperi, informaram ontem que os responsáveis pelos disparos ainda não foram identificados.

De acordo com o boletim de ocorrência, o carro de Rubem também foi alvejado por dois tiros enquanto levava o menino para o hospital.

Manifestação
Familiares e amigos do pequeno Mario Gabriel estão reunidos em protesto contra o crime desde às 6h desde a segunda-feira (1º), na Estrada da Cocisa, em Paripe, em frente a um mercadinho na região.

Segundo um tio da criança, que preferiu não se identificar, a intenção do protesto é pedir menos violência na região e alertar as autoridades sobre o caso. O bebê segue internado na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) do Hospital do Subúrbio.


As informações são do Correio 24 Horas