“Em Família”: discussão entre Luiza, Helena, Virgílio e Laerte termina em pancadaria

carol-caminha-53O conflito entre o quarto principal de “Em Família” vai alcançar o ponto máximo de ebulição nos próximos capítulos da trama. Helena (Julia Lemmertz), Luiza (Bruna Marquezine), Laerte (Gabriel Braga Nunes) e Virgílio (Humberto Martins) vão brigar feio. De acordo com a colunista Patrícia Kogut, a confusão começa assim que a leiloeira descobre que o músico pretende se casar com sua filha. Ela vai confrontar o flautista no galpão cultural, e será surpreendida pela filha.

Helena vai aparecer no espaço sem ser anunciando, espantando a irmã (Giovanna Antonelli). Clara vai tentar convencer Leninha a voltar para casa, mas ela se mostrará irredutível e ficará esperando pelo término de um ensaio de Laerte.

“Prefiro me arrepender momentaneamente de ter vindo do que me arrepender a vida inteira por não ter tentado proteger minha família. Por mim, eu nem conversaria. Se tivesse uma arma já entraria atirando”, declara a leiloeira, extremamente nervosa.

Laerte fica sozinho em casa assim que o ensaio acaba. Helena estará prestes a entrar no local quando Luiza surge, depois de aparecer para visitar o namorado.

“Aonde é que você vai, mãe?”, questiona a estudante.

“Por que quer saber? Não interessa a você. Pelo menos não agora”, retruca Helena.

É neste momento que o flautista abre a porta e dá de cara com o seu amor do passado e o seu amor atual. Helena logo diz que precisa conversar com ele, mas Luiza tentará impedir que a mãe fique a sós com o namorado. A leiloeira vai tentar fechar a porta na cara da filha, mas a estudante consegue entrar na sala.

Ao perceber que o trio está trancado no local, Clara fica nervosa e telefona para Virgílio pedindo ajuda. Dentro da sala, o clima fica cada vez mais tenso.

“Preferia estar morta do que estar vendo você entre nós dois, mas contra mim!” desabafa Helena.

“Não estou contra você, mãe, nem contra ninguém. Só não quero que briguem”, pede Luiza.

“Como pode, depois de tudo que eu vivi por culpa dele? Como pode pensar em se casar com esse homem que desgraçou a minha vida? Que enterrou vivo o seu pai, que matou seu avô e arruinou a nossa família?” grita a leiloeira.

“Já pedi perdão por toda essa desgraça que eu causei. Que mais posso fazer?” se manifesta Laerte.

Luiza não cede, e diz que precisa viver a sua própria história independente do que aconteceu com a mãe na juventude. Helena não quer ouvir, e diz que precisa acertar as contas com Laerte, chamando a filha de “idiota” por ter embarcado em um romance com o flautista.

” Não sabe o que está fazendo, no que está entrando! Vai sair ferida, queimada, se sair viva! Ele é um maldito que espalha desgraça por onde anda, em tudo que toca, nas pessoas que diz amar. Por que você tem que viver essa tragédia, se pode cair fora antes? Por quê?” questiona.

“Porque eu não acredito que vou repetir a sua vida! Não chega sermos tão parecidas? Também na desgraça temos que ser iguais?” Luiza retruca, jogando na cara.

“Também na desgraça, se você está repetindo o mesmo homem! O que é que  faz você repetir os passos que eu dei? Já disse que ele está olhando para você, mas não está vendo nenhuma Luiza. É a mim que ele vê. É a Helena”, declara a leiloeira.

“Não! Pretensão sua. Sei quem é uma e quem é outra!” protesta Laerte.

“Você vai ficar no altar esperando por ele. Guarde bem o que eu estou lhe dizendo. Já estou com pena de você, Luiza. Muita pena”, diz Helena, saindo da sala. É neste momento que Virgílio chega e presencia a situação.

Ao ver o pai, a estudante tenta conter o escultor, mas será levada por ele pelo braço e tirada do caminho. Virgílio então tranca a porta da sala onde Laerte está e confronta o ex-rival.

“Acho que você não ficou satisfeito com a surra que eu lhe dei em Goiânia. E está pedindo mais!”, diz o artesão, que em seguida dá uma surra no flautista.