Em novo vídeo, marqueteiro do PT tenta convencer população de que o passado era trevas e o presente é o paraíso

ptJornalista, publicitário e marqueteiro do PT, João Santana parece estar em grande forma. Acaba de entrar no ar propaganda de um minuto do partido da presidente Dilma Rousseff e do ex-presidente Lula, com inserções em nível nacional, assinado pela equipe dele. No mínimo, faz pensar.

Intitulado ‘Fantasmas do passado’, o vídeo mostra, inicialmente, uma família do meio rural que avança por uma estrada com o pai dirigindo uma caminhonete. No percurso, ele cruza com outra família que vem na direção contrária, a pé, maltrapilha e com ar de profunda infelicidade. O detalhe que se torna o principal é: as pessoas que passam são as mesmas pessoas que estão no veículo, como se, no passado, a vida daquela família, hoje mais próspera, fosse a do pé no chão, expressão derrotada e, como indicam as circunstâncias, sem emprego.

Na cena seguinte, uma mulher negra, com um bebê no colo, seu próprio filho, compra medicamentos numa farmácia. Dá a entender que é uma loja da rede Farmácia Popular. Ao olhar para a rua, porém, a mulher enxerga a ela própria, porém descabelada, com o mesmo bebê no colo, mas como uma pedinte. Combina-se assim: se hoje essa personagem pode comprar remédios, a imagem dela mesma do lado de fora denuncia que no passado não tinha dinheiro nem para comer, quanto mais ter acesso a medicamentos.

Num terceiro momento, um senhora pega seu filho pré-adolescente na escola. Ambos entram em um carro mas, ao pararem num sinal de trânsito, agora é o mesmo menino que está dentro do carro que aparece, do lado de fora, se oferecendo para lavar o vidro do automóvel. A mensagem é: o estudante de uniforme de hoje foi o menino largado numa grande cidade de antes.

O texto, lido a partir da metade do vídeo de um minuto de duração, reforça a mensagem visual.

– Quando a gente dá um passo para a frente na vida, precisa saber preservar o que conquistou. Não podemos deixar que os fantasmas do passado voltem e levem tudo o que conseguimos com muito esforço. Nosso emprego de hoje não pode voltar a ser o desemprego de ontem, diz a narração.

E, com ênfase final, fica a recomendação do locutor ao espectador:

– Não dê ouvidos às falsas promessas. O Brasil não quer voltar atrás.

A assinatura se dá numa cena de chuva, outra vez num ambiente urbano, na qual um homem de gravata, demonstrando ter emprego, cruza com outro, novamente sua própria imagem – como um fantasma –, mas com as roupas puídas e um jornal amassado debaixo do braço, no retrato típico de quem está procurando trabalho – e não consegue.

Com a estrela do PT na parte alta inferior do vídeo, lê-se a frase final fixada na parte superior:

– Não podemos voltar atrás.

Tipos esteriotipados? Exageros comparativos? Realidade distorcida?

Todas essas perguntas podem ser respondidas com um sim por quem assistir ao vídeo do PT criado por Santana. Mas também é possível aquiescer que é a peça é emocionante.

O resultado prático das inserções poderá ser medido nas próximas pesquisas eleitorais. Até lá, fica a polêmica. (Brasil 247)

Assista:


………………………………