“Era questão de honra”, diz secretário da SSP-BA sobre prisão de quadrilha

    dsc00992Uma operação na região oeste da Bahia, que envolveu policiais infiltrados na maior quadrilha de assalto a bancos do estado, segundo a Secretaria de Segurança Pública, matou uma pessoa e prendeu quatro suspeitos. Os resultados da ação policial, ocorrida nos últimos dias, foram explicados pela SSP-BA na tarde desta terça-feira (30), em Salvador.

    O integrante considerado líder da quadrilha, conhecido como Brutus, foi morto durante confronto. A polícia apreendeu uma metralhadora antiaérea calibre ponto 50, quatro fuzís, uma pistola israelense, farta munição, mira vermelha e diversos equipamentos utilizados em arrombamentos de cofres e carros fortes.

    “O importante é dizer que o núcleo central da principal quadrilha de assaltos a bancos no estado foi desmantelada”, afirmou Maurício Barbosa, secretário de Segurança Pública do Estado da Bahia. “Era uma questão de honra para as forças de segurança da Bahia que nós déssemos esta resposta, e graças a Deus tudo saiu a contento e fomos exitosos”, completa.

    Segundo o Maurício Barbosa, o modus operandi da quadrilha era uma ação denominada “novo cangaço”, que utiliza do poder bélico e do baixo efetivo policial de algumas cidades para aterrorizar a população local. “O trabalho, infelizmente, demora, porque é um trabalho de inteligência, de paciência, de ter a melhor oportunidade de efetuar a operação, para o melhor ganho das provas e para o trabalho da polícia”, explica.

    Sobre os integrantes da quadrilha que não foram presos, o gestor da segurança pública na Bahia informa que é uma questão de tempo. “São assaltantes com uma relevância menor na quadrilha, mas é um trabalho permanente. Temos a consciência de que temos que seguir na captura deles”, diz.

    Ele também ressalta a importância da operação, no sentido de evitar crimes que já estavam em planejamento. “Caso não tivéssemos feito a operação, a intenção deles era praticar um assalto a carro forte na região de Ipiaú”, revela. “Tínhamos a informação de que eles pretendiam levar R$ 8 milhões, que seriam transportados via carro-forte naquela região. Nos antecipamos a esta ação, conseguimos reunir o maior número de armamento e efetuamos a prisão”, acrescenta.

    Para o secretário, uma série de fatores estimulam a atividade deste tipo de criminoso no interior baiano. “Na verdade, nós temos, como em todos os estados do Brasil, principalmente na região nordeste, uma carência de efetivo policial”, admite. “Estamos lutando para efetuar cursos, contratação de novos policiais, mas sabemos que, na velocidade que estamos fazendo, que é o que nosso orçamento permite, isto vai demandar ainda um pouco mais de tempo. Então, a nossa estratégia, além de reforçar o efetivo nestas cidades, é melhorar as ações de inteligência e das nossas forças especiais, para poder focar e retirar estes criminosos de circulação o mais rápido possível”, conclui.

    De acordo com balanço da SSP, de janeiro a junho deste ano, houve um decréscimo nas ocorrências consumadas contra instituições financeiras na Bahia, em relação ao mesmo período no ano passado: 92 casos em 2012 contra 86 em 2013. O número de criminosos presos aumentou neste mesmo período, com 54 prisões em 2012 contra 101 em 2013.

    G1/BA