Escândalo da carne de cavalo na Europa atinge a Nestlé e o JBS

    550O escândalo da fraude no comércio de carne na Europa respingou no grupo brasileiro JBS. A suíça Nestlé revelou nesta segunda-feira, 18, que realizou testes em alguns de seus produtos e constatou que eles continham carne de cavalo, e não de vaca, como suas embalagens apresentavam. A carne era fornecida pelo JBS, o maior produtor de carnes do mundo, que havia comprado o produto de outra empresa na Alemanha antes de repassar para a Nestlé. O escândalo foi primeiro revelado na Inglaterra, há pouco mais de duas semanas, indicando a presença de carne de cavalo em produtos que se apresentavam como sendo carne de vaca, até mesmo em grandes redes de fast-food, como a Burger King. A polêmica, em poucos dias, se espalhou por vários países europeus, escancarando falhas no sistema de controle sanitário da União Europeia (UE) e uma cadeia de produção envolvendo intermediários, produtos e empresas que, no final da linha, nem ao menos sabem a origem do que estão vendendo. Mas se até agora o escândalo envolvia empresas de porte médio, a nova revelação demonstra que a fraude está instalada no setor de carnes da Europa e respinga nas maiores empresas do setor.

    Exames. A Nestlé, a maior empresa de alimentos do mundo, confirmou que, depois de realizar exames com seus produtos, constatou que também teria sido vítima da fraude. A informação foi revelada uma semana depois que a própria Nestlé emitiu um outro comunicado garantindo que seus produtos não haviam sido afetados pelo escândalo europeu. Segundo um comunicado da companhia com sede na Suíça, o fornecedor seria a empresa alemã H.J. Schypke, que fornece a carne à JBS Toledo N.V., uma subsidiária do grupo brasileiro na Europa. Já a JBS usaria carne da empresa alemã para repassá-la para a Nestlé. O JBS, em seu site, informa que fornece “a carne processada de mais alta qualidade, sem concessões”. O JBS comprou a Toledo em 2010, por 11 milhões. Com sede em Gent, na Bélgica, a Toledo é especializada em produtos processados de carne bovina. A JBS informou, por meio de nota, que a empresa Schypke, não pertence ao seu grupo econômico e não possui qualquer relação societária ou operacional com a companhia. A nota diz ainda que a JBS Toledo suspendeu todos os contratos com a Schypke e não comercializará mais produtos europeus até que a confiança na segurança do sistema de fornecimento do bloco seja restabelecida.

    Segundo a nota, nenhum caso de violação foi identificado nos produtos fabricados pela própria JBS. “A JBS tomará todas as providências legais cabíveis para assegurar que não sofrerá qualquer prejuízo por conta do ocorrido e continuará a servir a seus clientes com produtos de qualidade, gerando valor a seus acionistas e demais stakeholders”, diz o texto. “Nossos testes encontraram DNA de cavalo em dois produtos feitos com a carne fornecida pela H.J. Schypke”, indicou a Nestlé, que garante já ter avisado as autoridades de sua constatação e insiste que não existe risco para a saúde dos consumidores. Mesmo assim, a Nestlé optou por retirar das prateleiras dos supermercados produtos como o ravióli de carne e o tortelini de carne da marca Buitoni. Essas substituições ocorreram na Itália e na Espanha. Já na França, o produto afetado é a lasanha à bolonhesa Gourmandes. Os testes nesses produtos revelaram que mais de 1% da carne testada não era de vaca. Pedindo desculpas aos consumidores, a Nestlé insiste que vai aumentar a partir de agora os programas de controle de qualidade, adicionando aos exames a verificação de DNA de cavalo em sua produção na Europa. A companhia garantiu que suspendeu todo o fornecimento vindo da empresa alemã e que vai substituir seus produtos atingidos por carne 100% de vaca. Nas últimas duas semanas, empresas registraram a queda de sua venda de alimentos prontos em quase 50%, enquanto as autoridades políticas do continente não disfarçam a saia justa diante do escândalo. (Fonte: Estadão)