Estudante de Feira de Santana tem projeto pré-aprovado em Harvard

RTEmagicC_65106-3.jpg“Poderei apresentar meu projeto, com minhas ideias, mostrar como ele foi desenvolvido e pedir patrocínio aos investidores que estarão lá, para poder trazer o patrocínio para o Brasil e poder implementar o diagnóstico da endometriose de forma mais simples”, disse a jovem em entrevista ao Acorda Cidade.

Geórgia afirmou em entrevista ao site que passar nesse concurso é importante para que ela possa dar continuidade à sua pesquisa, que está parada por falta de laboratórios em Feira e Santana. A estudante também tentou continuar a pesquisa em Salvador, mas encontrou dificuldades em conciliar tempo com o professor na capital baiana.

Para Geórgia essa é uma oportunidade para melhorar o currículo e de conhecer uma das melhores universidades o muno, além da visibilidade que a pesquisa terá.

Segundo a estudante a ideia de pesquisar sobre a doença surgiu quando ela percebeu o contexto social que a doença tem. A endometriose possui tratamento, mas é muito caro, assim como o diagnóstico.

Sidinei da Silva Sampaio, mãe de Geórgia, conta que a filha sempre foi muito aplicada e determinada nos estudos. Ela se formou no ensino médio no ano passado em uma escola particular da cidade, onde era bolsista.

“Me sinto feliz, pois vejo o esforço dela. Sempre foi muito aplicada, desde pequena. Ela já venceu várias olimpíadas, conseguiu uma bolsa em uma boa escola, tudo através do próprio esforço. O projeto dela vai gerar uma melhora na vida das mulheres, pois uma doença como essa não é descoberta através de exames simples”, afirmou a mãe orgulhosa ao Acorda Cidade.

Geórgia também já passou em três vestibulares, dois na Universidade Estadual de Feira de Santana (Uefs) e um na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), nos cursos de Engenharia da Computação, Engenharia Civil e Engenharia Elétrica. Mesmo assim a jovem não ingressou em nenhum deles, pois está se preparando para fazer vestibular em uma universidade fora do Brasil.

Apesar do seu projeto ser na área e saúde, a jovem não pretende cursar medicina. Geórgia quer fazer Engenharia Mecatroônica. (iBahia)