Estudantes da zona rural concluem ensino médio por meio de tecnologia pioneira no Nordeste

    A Comunidade Quilombola de Parateca, localizada a 899 quilômetros de Salvador, está em festa. A banda de pífanos, tradição de mais de 300 anos, comemora a conclusão do ensino médio de 19 jovens e adultos da comunidade. Com a ajuda da tecnologia, professores de Salvador ensinam a 88 estudantes de Parateca e região, por meio de aulas transmitidas via satélite e em tempo real. Trata-se do projeto Ensino Médio com Intermediação Tecnológica (Emitec), iniciativa da Secretaria da Educação do Estado da Bahia, que assegura o ensino médio à população em áreas remotas da zona rural.

    “O projeto veio pela dificuldade – de transporte e alimentação – que os alunos enfrentavam para chegar até Malhada, cidade a 85 quilômetros. Aqui eles têm o mesmo suporte que têm os alunos de escolas convencionais. A diferença é que as aulas acontecem pela tela, mas eles usam uniformes, têm as mesmas disciplinas, com boletins e notas”, explica a diretora do Colégio Luis Eduardo Magalhães, Rosangela Maria Ramos de Oliveira Costa.

    A iniciativa mudou a vida de Lindinalva Aragão, 40, que cursa o 3º ano. “O projeto foi importante demais. Trouxe muitos benefícios para nossa comunidade. Já temos colegas que estudaram aqui e passaram no vestibular, inclusive minha filha. Jamais conseguiríamos se tivéssemos que estudar presencialmente em Malhada, com todas as dificuldades que temos para chegar lá”.