Euclides da Cunha: Polícia fecha o cerco contra a pirataria

apreensao-cds_03Não faz muito tempo, uma ação policial contra a venda de produtos piratas comercializados na feira livre de Euclides da Cunha, terminou com a apreensão de milhares de CDs, DVDs piratas e centenas de pacotes de cigarros contrabandeados do Paraguai, além de cinco pessoas presas, entre elas, duas mulheres residentes na cidade de Ribeira do Pombal.

Neste sábado (1º), mais uma ação policial de combate ao contrabando e à pirataria foi deflagrada por uma equipe de agentes policiais civis comandados pelo bel. Paulo Jason de Mello Falcão – delegado titular da 1ª DT da 25ª Coorpin, com a colaboração do delegado José Nilson Tavares – titular da DT/Heliópolis. A ação conjunta contou com a participação de duas guarnições da Polícia Militar do 5º BPM, tende à frente o sd Marcos Paulo e o comando do ten. Cléber.

Feito o levantamento sobre os pontos onde estavam sendo comercializados os produtos irregulares e diante das informações sobre a presença em um dos locais de José Américo Cândido, apontado pela polícia como principal fornecedor de produtos piratas na região, as equipes se deslocaram para a Av. Ruy Barbosa e Rua Castro Alves, onde acontece a feira livre semanal.

Numa ação bem planejada que não deu chance para evasão dos elementos apontados, que segundo foi informado, quando da ação anterior evadiram-se do local ao notar a presença da polícia, desta vez, Antônio Cândido não teve como escapar e foi preso próximo a um dos pontos de venda. Cerca de 2.500 CDs e DVDs foram apreendidos e recolhidos à 1ª DT.

Os acusados foram enquadrados no artigo 184§2º do CP, que trata como “violação, qualquer tentativa de lucro através de distribuição, venda, armazenamento, ocultação, exposição à venda, empréstimo e introdução no país, de original da cópia de obra intelectual”. Como se trata de crime afiançável, ainda no sábado, dois dos acusados pagaram fiança no valor de um salário mínimo e vão responder em liberdade.

Para José Américo Cândido dos Santos, tido como principal fornecedor dos produtos apreendidos, foi arbitrado o pagamento de cinco salários mínimos, que foram pagos na manhã desta segunda-feira (03), e foi liberado. O acusado vai responder judicialmente, em liberdade, pelo crime de pirataria.

Fonte: Euclidesdacunha.com