Euclides da Cunha: Professores da rede municipal param atividades por atraso de salário

protesto-professores_03Os episódios acerca do pagamento do salário dos professores da rede municipal de ensino poderiam ser escritos em diários, ou capítulos, como sugere uma docente a serviço da educação no município de Euclides da Cunha.

As dificuldades para esses profissionais receberem os vencimentos em uma data fixa vêm se arrastando há vários meses, quando de forma inexplicável a liberação do recurso sofre alterações, já que a verba é repassada ao tesouro municipal mensalmente e sem atraso pelo Fundeb/FNDE – Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação.

Cansados com o descaso dos responsáveis pela liberação do pagamento do salário, dezenas de professores realizaram neste sábado, 09, mais uma passeata em protesto contra o atraso no pagamento dos salários e cobrando respeito pela categoria.

A manifestação foi realizada pelas principais ruas e avenidas em caminhada até o Centro de Abastecimento, na cidade de Euclides da Cunha, onde acontecia a feira-livre, porém lá os manifestantes “dificilmente podiam comprar os alimentos e verduras oferecidas pelos comerciantes, já que não contavam com o dinheiro do pagamento do salário pelos serviços realizados para o município”. Alegavam.

Na ocasião, os professores explicaram para a população os motivos da indignação e informaram que nesta segunda-feira, 11, poderia haver uma paralização de suas atividades – o que de fato aconteceu -, diante do desrespeito da Prefeitura Municipal para com a categoria.

Após um dia de paralisação (ocorrida nesta segunda-feira) os educadores voltaram para sala de aulas nesta terça-feira, 12, normalmente, na esperança de ser cumprida a promessa de pagamento dos salários. Porém, mais uma data se passou e os vencimentos não foram pagos.

Na manhã desta quarta-feira, 13, os professores mais uma vez reunidos suspenderam os trabalhos em sala de aulas para tentar resolver o impasse. Dessa vez o protesto foi realizado nas instalações da Prefeitura Municipal e na Secretaria Municipal da Educação, onde depois se encontrarem com a secretária Ivete Teixeira, foram informados que somente no período da tarde é que se teria um posicionamento da possível data em que os recursos serão liberados para as contas bancárias dos docentes.

Fonte: Euclidesdacunha.com