Ex-prefeita parabeniza Euclides da Cunha pelos seus 84 anos de emancipação política

A ex-prefeita Fátima Nunes, parabenizou o município de Euclides da Cunha pelos seus 84 anos de emancipação política, nesta terça-feira (19), através de seu perfil oficial no Facebook.

Em uma curta mensagem com imagens de algumas de suas principais ações do período em que administrou a cidade, a ex-gestora escreveu “Parabéns Euclides, tenho muito orgulho de fazer parte da história do nosso município, contribuindo para o nosso crescimento”

21751267 1227057780773595 3208632117112304155 n
Foto reprodução Facebook

Formação Administrativa

Com a chegada de mais colonos, a fazenda Cumbe experimentou considerável surto de progresso, evidenciado em construções, sendo elevada em 1881 à Freguesia de Nossa Senhora do Cumbe, um distrito de Monte Santo. No ano de 1888 foi construída uma capela subordinada a de Massacará, sob a invocação de Nossa Senhora da Conceição, pelo padre Vicente Sabino dos Santos.

A fazenda foi elevada à categoria de vila no ano de 1898 como território desmembrado de Monte Santo. Em 1911 foi constituída do distrito-sede (município). Vinte anos depois, em 1931, Vila do Cumbe, ainda como distrito-sede, foi extinta e a sua área foi reanexada ao município de Monte Santo. Em 19 de setembro de 1933, o território foi emancipado, elevado novamente à categoria de município, constituído de dois distritos: Cumbe (a sede) e Canudos; e, por iniciativa do escritor José Aras, como homenagem ao escritor de “Os Sertões”, a cidade passou a ser chamada de Euclides da Cunha, porém, este feito só foi oficializado no ano de 1938.

Em 1953 foi criado e anexado ao município o distrito de Massacará (ex-povoado). Na divisão territorial datada de 1960, a cidade tinha três distritos: Euclides da Cunha (sede), Canudos e Massacará. Em 1985, Canudos foi desmembrado de Euclides da Cunha e elevado a município. No mesmo ano foram criados e anexados os distritos de Caimbé e Aribicé, ex-povoados.

Administração pública

Até o ano de 1930, quando surgiu a figura do prefeito no Brasil, os municípios eram governadas por intendentes. Euclides da Cunha, ainda mesmo uma vila (distrito-sede), chamada de Cumbe ou Vila do Cumbe, teve dez intendentes; foram eles:

  1. Antonio Francisco Reis (Major Antonino);
  2. Coronel Ascênio Guimarães (por 3 vezes);
  3. Capitão Dantas (Francisco da Silva Dantas);
  4. Joaquim de Carvalho Lima;
  5. Benevides Dias Moreira;
  6. Potâmio Américo de Souza;
  7. Luis Ferreira Nascimento, o Sr. Lua;
  8. José Esteves de Abreu;
  9. Galdino Alves de Souza;
  10. Joaquim de Santana Lima (eleito em 1924).

Em 1931, com a extinção da vila, o território foi reintegrado ao município de Monte Santo. Dois anos depois, em 19 de setembro de 1933, definitivamente, Cumbe foi emancipado, realizando no ano seguinte uma eleição direta, com a participação feminina (assegurada no Brasil desde 1932), que elegeu o Sr. Joaquim Santana Lima como o seu primeiro prefeito. Procurando administrar bem a cidade, Joaquim construiu a primeira prefeitura, onde hoje funciona a Biblioteca Municipal, contratou professores para alfabetização de crianças e colocou nas principais ruas postes de iluminação a carbureto. Em 1937, devido ao golpe dado por Getúlio Vargas que instituiu no país o Estado Novo, Joaquim Santana Lima deixou o cargo.

Prefeitos após o fim do Estado Novo

Com o fim do Estado Novo em 1945 no Brasil, Euclides da Cunha voltou a desfrutar da plena democracia com eleições para prefeito e a instalação da Câmara de Vereadores.

Para Prefeitura foi eleito com voto direto o Sr. Antonio Batista de Carvalho e, para Câmara de Vereadores, Joaquim Santana Lima, Raimundo Dantas Lima, Álvaro Santos, Joaquim Matias, Teago Ferreira de Carvalho e José Camerino de Abreu.

Lista de Prefeitos a partir de 1945

  1. Antonio Batista de Carvalho — 1947 a 1951;
  2. José Camerindo de Abreu — 1951 a 1955;
  3. Antonio Batista de Carvalho — 1955 a 1959;
  4. José Bezerra Neto — 1959 a 1963;
  5. Antonio Batista de Carvalho — 1963 a 1967;
  6. Joaquim Silva Dantas — 1967 a 1971;
  7. Antenor Dantas de Andrade — 1971 a 1973;
  8. Enock Canário de Araújo — 1973 a 1977;
  9. Juviniano Gomes dos Santos — 1977 a 1983;
  10. José Renato Abreu de Campos — 1983 a 1988;
  11. José Nunes Soares — 1989 a 1992;
  12. José Raimundo Moura da Costa — 1993 a 1996
  13. Atayde José da Silva — 1997 a 2000;
  14. José Renato Abreu de Campos — 2001 a 2004;
  15. Rosângela Lemos Maia de Abreu — 2005 a 2008;
  16. Maria de Fátima Nunes Soares — 2009 – 2016
  17. Luciano Pinheiro Damasceno e Santos – desde de 2017.