Ex-prefeitos baianos são cobrados na Justiça por gastos com eleição suplementar

    310x370_1340046Quatro ex-prefeitos baianos já estão sendo cobrados judicialmente por terem provocado eleições suplementares nos seus municípios. Outros dois devem também ser acionados pelo mesmo motivo.

    Isso ocorre devido a uma iniciativa da Justiça Eleitoral, Procuradoria Eleitoral e Advocacia Geral da  União (AGU). Na Bahia, são alvo de ações de ressarcimento Gilvandro de Souza Araújo (de Castro Alves), Wagner Teixeira Santana (Pilão Arcado), José Rodrigues de Carvalho Júnior, o Zezinho (Iramaia), e José Roberto de  Oliveira, o Zé do Betina (Cordeiros).

    Ficha-suja – A ideia é desestimular candidatos “fichas-sujas” a disputarem eleições. Para isso, órgãos federais resolveram mexer no ponto mais sensível do ser humano: o bolso.

    Desde o ano passado, a AGU tem patrocinado ações na Justiça Comum cobrando o prejuízo que os “fichas-sujas” causaram ao obrigar a Justiça Eleitoral a convocar eleições suplementares.

    Em todo o País, até o momento já foram ajuizadas 51 ações e firmados seis acordos, informa o TSE. Outras 37 ações estão sendo finalizadas para ser protocoladas na Justiça Federal.

    No total, são acompanhados 94 casos, o que implica a cobrança de mais de R$ 2,7 milhões para serem devolvidos aos cofres da União.

    Impugnação – Recentemente, a Procuradoria Regional Eleitoral enviou representação à AGU para que  Américo José da Silva (Camamu) e  Márcio Césare Rodrigo Mariano (Muquém do São Francisco) sejam cobrados.

    Eles tiveram candidaturas impugnadas em 2012, insistiram em disputar o pleito e provocaram a convocação de novas eleições de prefeito este ano nos dois municípios .

    Outros quatros prefeitos baianos que tiveram o mandado cassado recentemente devem entrar na linha de tiro dos órgãos fiscalizadores. São eles: Antônio Carlos Paim Cardoso, o Toinho do PT (PT), de Amélia Rodrigues, Adolfo Menezes (PSD), de Campo Formoso (que é deputado estadual), Antônio Carlos Macedo Araújo (PMDB), prefeito de Macarani, e Francisco Hélio de Souza (PMDB),  prefeito de Terra Nova.

    Fonte: A Tarde