Igor Kannário é liberado após ser autuado por tráfico de drogas

kaO cantor Igor Kannário,  foi liberado do Núcleo de Prisão em Flagrante, no Complexo Penitenciário da Mata Escura, no final da tarde desta quinta-feira (8), após o juiz expedir um alvará de soltura. De acordo com o advogado do cantor, Geraldo Gerônimo Bastos, o juiz acatou o pedido de habeas corpus encaminhado pela defesa do músico e desconsiderou o crime de tráfico. Ainda de acordo com o advogado, o cantor já está em casa.

Ao ser preso e autuado em flagrante por tráfico de drogas, Kannário estava acompanhado de dois integrantes da sua banda – Lázaro de Jesus, 50 anos, que negou ter consumido ou ser dono da droga e foi liberado. João Pedro Laurentino, 27 anos, que foi autuado por tráfico e continuava detido junto com o cantor também foi liberado no final desta tarde.

De acordo com a polícia, foram encontrados sob domínio dos pagodeiros cerca 8 “dolões” de maconha, o equivalente a 30 cigarros da droga. A quantia foi suficiente para que os dois fossem autuados por tráfico, embora ambos tenham alegado que a maconha era para consumo próprio. A lei não determina uma quantidade específica para o crime de tráfico de drogas, ficando o tema à interpretação da polícia e, posteriormente, da Justiça.

O trio estava voltando do estúdio, onde estavam ensaiando e gravando uma música, caminhando pela rua Saldanha Marinho quando foram parados pela PM. No depoimento, Kannário disse ao delegado que que recebeu a maconha de fãs e que é comum durante shows os fãs jogarem drogas no palco.

Confusões e polêmica

Kannário é conhecido por se envolver em polêmicas. Em 2012, ele destruiu um quarto de hotel em Aracaju e brigou com um funcionário. Por volta das 5h da manhã , o cantor agrediu um funcionário do Hotel River Side, onde estava hospedado.

“Ele estava muito alterado, falando palavrões e acompanhado por algumas meninas que aparentavam ter entre 13 e 14 anos”, revelou Cristiane Santos, a gerente do hotel, na época.

Kannário negou a versão do hotel e disse que a briga começou depois de ser agredido por um funcionário. No mesmo ano, ele teve o carro apreendido em uma blitz dirigindo sem carteira de habilitação. A situação voltou a se repetir em 2013. (Com informações do Correio 24 Horas)