Império: Rixa de Maria Clara com a irmã aumenta após Cristina assumir comando de empresa

RTEmagicC_ddc61694d1.jpgDepois de tomar uma poção e ser dado como morto, José Alfredo (Alexandre Nero) passará o comando da Império para Cristina (Leandra Leal). “Ela é uma mulher correta e que busca a verdade. Vai fiscalizar as contas da empresa e achará mais falcatruas”, afirma Aguinaldo Silva.

“O comendador a escolhe para sucedê-lo, pois é a filha que mais se parece com ele, determinada, firme no propósito e séria. Ele se vê nela”, emenda o autor. Tudo isso, porém, abalará mais do que nunca a relação com a irmã Maria Clara (Andréia Horta). Não será fácil para a caçula de José Alfredo ter Cristina como chefe. Ao perceber que a irmã ganha cada vez mais espaço na empresa e ela não, a designer não deixará por menos e vai começar a afrontar a sobrinha de Cora (Drica Moraes).

“Mas a Maria Clara, pelo menos, não é falsa. Ela fala na lata mesmo o que está sentindo, não engana ninguém. Ela e todos os irmãos sentem o mesmo por ver outra pessoa suceder o Comendador”, pontua Andréia. Como se não bastasse isso, a rivalidade ainda vai aumentar por conta do namoro de Maria Clara com Vicente (Rafael Cardoso), que era namorado de Cristina até pouco tempo.

Rivalidade

“Ambos se envolvem por conta do destino. Maria Clara não é falsa a ponto de fazer isso de propósito. Mas, claro, o clima por conta disso pesa ainda mais com a aproximação das duas. Elas vão ter de se aturar”, conta Aguinaldo Silva. Mesmo com essa avalanche de acontecimentos e da mudança radical de postura da personagem, a atriz não acredita que Maria Clara seja uma vilã. “Ela é humana, tem seus erros e seus acertos, não a considero uma pessoa ruim a esse ponto”, defende o autor da trama.

Sobre o futuro dessa rivalidade, Andreia faz mistério. “Vai acontecer muita coisa ainda, mas prefiro que o público espere para ver. Vão rolar alguns atritos”, encerra. Enquanto isso, a novela segue muito bem na audiência. Segundo o colunista Flávio Ricco, entre 27 de outubro e 7 de novembro, de cada 100 aparelhos de televisão, 58 estavam sintonizados na história do Comendador. Nos horários de pico, Império chegou a alcançar 30 milhões de telespectadores por minuto. Um feito para os dias atuais em que a internet e a TV a cabo ganham cada vez mais espaço. (Com informações do iBahia)