Irmã diz que baiana foi arremessada de ônibus clandestino que seguia da Bahia para SP

acidente_cop_okUm trágico acidente envolvendo um ônibus clandestino que seguia da Bahia para São Paulo causou muita dor e comoção nas famílias das vítimas. “Na hora que deu o tombo, ela foi o primeira a ser jogada para fora”, disse Wélica Santana dos Santos, após ter ouvido o relato da irmã Welda Santana dos Santos, de 22 anos, que sobreviveu ao acidente que deixou cinco pessoas mortas e 22 feridas no município de Bela Vista de Minas (MG), na madrugada de quinta-feira (4). O veículo em que ela estava, com mais 26 pessoas, despencou de uma ribanceira. A vítima saiu do município de Ribeira do Pombal (BA), a cerca de 300 quilômetros de Salvador, e tinha como destino o estado de São Paulo.

Welda viajava com o marido, Flávio de Oliveira Santos, de 30 anos, uma das vítimas fatais do acidente. De acordo com Wélica, a confirmação da morte do marido só foi dada à irmã nesta sexta-feira (5). “Ela lembrava que algo tinha acontecido com o marido, mas não sabia que ele estava morto. Os médicos resolveram contar hoje e ela não conseguia falar de tanto chorar. Precisaram acalmar ela”, conta Wélica.

O casal viajava para acompanhar o casamento da irmã de Flávio, que era natural de Campinas, e visitar o pai dele, que se recuperava de um derrame.

Wélica também conta que a irmã permanece internada em Minas Gerais, está em estado de choque e não tem previsão de alta. Disse ainda que quando ela começa a falar sobre a queda do ônibus não consegue concluir os relatos. “Ela disse que lembrava de ter sido arremessada para fora do ônibus. As pessoas estavam gritando muito e ela não sabia o que fazer. Depois começou a gritar pelo marido e quando o encontrou, pediu por socorro. Depois disso ela não lembra de nada. Ela teve uma pancada e um corte profundo na cabeça. Já fez cirurgia e passa bem, mas chora muito”, relata.

A irmã da vítima conta ainda que o cunhado fez aniversário no dia 9 de novembro. O casal tinha pouco mais de um ano de dois meses juntos. Nos últimos sete meses, eles estavam morando em Ribeira do Pombal. “Eles tinham tantos planos. Eles estavam gostando de morar aqui, mas iam passar uns três meses lá [Campinas] para ficar mais com o pai dele”, conta Wélica.

O corpo de Flávio foi liberado na tarde desta sexta-feira e o enterro está previsto para acontecer no sábado (6), em Campinas.

Acidente
O acidente ocorreu no km 344 da BR-381, em Bela Vista de Minas, que fica a 124 quilômetros de Belo Horizonte.

Conforme a Polícia Rodoviária Federal, o veículo caiu de uma ribanceira de cerca de 50 metros. A PRF informou que os feridos, entre eles o motorista, foram socorridos para um hospital de João Monlevade, na mesma região. Os corpos das vítimas, três mulheres e dois homens, também foram levados para o município.

Segundo a Polícia Rodoviária Federal, foram encontrados comprimidos de rebite dentro do veículo. A corporação afirmou ainda que não havia marcas de freada na rodovia. Conforme a polícia, o motorista disse que o acidente ocorreu por causa de uma falha mecânica.

A PRF informou que o ônibus tem registro na Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), mas não era cadastrado para realizar viagens de turismo, apesar de ter sido usado para esta função. A polícia não divulgou o nome da empresa responsável pelo veículo. (Com informações do G1)