Jaques Wagner exonera secretário acusado de assédio moral e sexual

RTEmagicC_82c7a8dc3d.jpgO governador Jaques Wagner acatou o pedido de exoneração do secretário de Justiça, Cidadania e Direitos Humanos, Almiro Lopes. A decisão foi publicada no Diário Oficial da Bahia nesta quarta-feira (4). O ex-secretário pediu exoneração do cargo na tarde da terça-feira (3), após ser acusado de assédio moral e sexual contra servidoras da Secretaria, que ele assumiu em janeiro de 2011.

No lugar de Sena, Wagner designou o chefe de gabinete José Reginaldo Souza Silva, que responde pela Secretaria de Direitos Humanos a partir de hoje. Almiro Sena negou todas as acusações e resumiu o processo contra ele a uma “armação política profissional”, sem citar nomes. Ele disse que se reserva ao direito de, primeiro, falar durante a defesa ao processo judicial, que segue em caráter sigiloso na Corregedoria do Ministério Público do Estado da Bahia (MP-BA), onde é promotor.

“Eu não posso provar o que não existiu, você não pode fazer prova do que não foi feito. Mas posso, sim, e vou mostrar primeiro no processo judicial, com várias pessoas, que inclusive já têm me procurado, não só para apoiar, mas para depor, é o absurdo dessas acusações”, disse, em entrevista à TV Aratu.

Em nota emitida na última quinta-feira (29), Almiro Sena chamou as acusações de “levianas e covardes”. “Só tenho a afirmar e reafirmar que jamais pratiquei, pratico ou praticarei atos dessa natureza”. Segundo Almiro, as denúncias foram feitas por “duas ou três” funcionárias que ele não conhecia. Elas fizeram a denúncia no MP-BA, que entrou com uma representação contra o promotor licenciado na última quarta-feira, dia 28 de maio.  (Correio 24 Horas)