Mãe de 5 após fertilização, baiana comemora chegada menina

zx“Nunca achei que poderia engravidar naturalmente”, disse a psicóloga Layane Cedraz, 32 anos, que espera uma menina, seu sexto filho. Ela já é mãe de cinco meninos, que foram concebidos por fertilização in vitro – os quadrigêmeos Yure, Enzo, Ianic e Luigi, de 1 ano e 9 meses, e Rafic, de 6 anos.
Layane conta que, após o nascimento dos quadrigêmeos, ela e o marido não utilizavam qualquer método contraceptivo pensando que seria impossível engravidar naturalmente.

“Tenho uma trompa obstruída, endometriose e não tenho ciclo menstrual regular. Só descobri a gravidez [da menina] com cerca de quatro semanas, porque fiquei me sentindo cansada, tinha mal-estar, sentia um sono inexplicável e ficava pensando: ‘Minha menstruação, quando vier, vai me derrubar'”, relata Layane.

vvMesmo com cinco filhos, a psicóloga conta que ainda tinha o sonho de ser mãe de uma menina. Ela e marido pensavam em adoção, mas não por enquanto. “A gente pensava em adotar, mas só daqui a uns cinco anos, quando os meninos estivessem maiores. Não esperava. Estou anestesiada até agora. Confesso que ainda estou processando tudo, porque, por mais que em meu coração desejasse, eu não acreditava”, revela.
Layane explica que comprou um teste de farmácia para tirar a dúvidas sobre o mal-estar que sentia, mas ainda não acreditava na possibilidade da gravidez.

“Comprei o teste de farmácia sem avisar a ninguém. Fiquei com medo de fazer, deixei para o dia seguinte, depois do Natal. Meu sonho era enxergar as duas listinhas do teste. Quando fiz e confirmou, comecei a chorar, acordei meu marido desesperadamente. Ele me acalmou, disse que a gente ia confirmar o exame em um laboratório e que o bebê ‘é o presente de Deus para nossas vidas’. Eu não sabia de quanto tempo eu estava grávida, aí depois do exame no laboratório, descobri que estava com quase quatro semanas”, conta.
Ela lembra ainda que o filho mais velho, Rafic, disse a ela que sonhou que teria uma irmãzinha. “Ele disse: ‘eu vou pedir a papai do céu uma irmãzinha’. Então, quando descobri fiquei desesperada para dar notícia a ele’, conta Layane.

Veja mais no G1/BA