Mãe de crianças do caso Monte Santo registra queixa por insegurança

    monte_santoA dona de casa Silvânia da Silva, mãe das crianças que foram retiradas de casa de forma irregular em junho de 2011, na cidade de Monte Santo, na Bahia, registrou queixa na delegacia da cidade relatando que uma mulher entrou na escola onde dois filhos mais velhos estudam. Silvânia diz que a situação ocorreu no dia 14 de março e que, desde então, ela se sente insegura.

    “Uma mulher que é daqui da cidade, soube que ela é professora, colocou um celular no ouvido do meu filho para falar com alguém de São Paulo. Eles estão assustados, chorando”, relatou Silvânia.

    A mãe baiana diz também que a família vem sofrendo “investidas” de um homem que estaria em busca de informações sobre sua filha. Segundo Silvânia, um homem se apresentou como comprador de terras em sua casa na segunda-feira (11). “Ele veio aqui em casa anteontem, disse que queria comprar o terreno vizinho. Ele disse que queria acertar a comprar de um terreno com meu marido. Eu passei o número do celular errado do meu marido. Ele voltou na terça e eu dei uma queixa na delegacia”, acrescenta Silvânia.

    Ainda de acordo com o relato da dona de casa, o homem a abordou quando ela brincava na frente de casa com a filha e uma amiga, que o reconheceu. “Minha amiga reconheceu ele na hora. Disse que ele estava me xingando na internet. Eu acho que ele está em cima da minha filha. Eu já estava desconfiada e perguntei onde ele morava, ele me disse que era de Bonfim, depois que eu insisti, ele assumiu que era de São Paulo. Eu anotei a placa do carro e levei na delegacia”, relatou Silvania.

    O G1 entrou em contato com a delegacia da cidade, mas não conseguiu localizar o delegado responsável pelo caso. Segundo informações da unidade policial, ele foi até a Promotoria de Justiça do município.

    Em entrevista por telefone ao G1, a promotora Severina Fernandes, da 2ª Promotoria de Justiça de Monte Santo, que acompanha o caso, afirmou que soube da situação, mas que não há uma denúncia formalizada no órgão. “O trâmite de investigação já está aberto. Vou receber o relatório do Conselho hoje e do que foi registrado na delegacia. Ainda não temos nada de concreto. Preciso ouvir as pessoas para tomar todas as providências cabíveis”, afirmou Severina.

    Vitória Eugênia Silva, conselheira tutelar de Monte Santo, disse que a escola em que as crianças estudam foi notificada, mas a diretoria da instituição ainda não foi ouvida. “Já notificamos a escola. O que sabemos ainda é sigiloso. Nesse momento, o que tomamos conhecimento foi o caso de escola. Todos os órgãos de proteção estão fazendo o que é possível. Ainda não posso falar dos nossos procedimentos”, afirmou Vitória.

    A advogada Isabela Costa Pinto, do Centro de Defesa da Criança e do Adolescente (Cedeca), diz que soube do caso em conversa com Silvânia da Silva e que deve chegar na cidade na quinta-feira (21). “Está acontecedo um assédio perigoso, pessoas que se aproximam da família, se fingindo passar por outras pessoas, se fingindo de comprador de terrenos. Isso é um absurdo. Essas pessoas não podem fazer isso. Essas crianças estão sofrendo. Vamos procurar o Ministério Público e o juiz para ele tomar uma providência. O receio de Silvânia é altamente compreensível”, afirmou a advogada.

    O Tribunal de Justiça da Bahia, através da assessoria, informou que é preciso aguardar que os advogados responsáveis pelo caso acionem a Justiça para que seja aberto um novo processo.

    O caso
    O casal Silvânia e Gerôncio, pais das crianças, contaram que elas foram retiradas de casa em junho de 2011, pela polícia, após ordem do juiz Vítor Manoel Xavier Bizerra, que na época atuava em Monte Santo. O caso foi denunciado no Fantástico, da Rede Globo. Dos cinco filhos do casal, dois foram levados para Campinas. Os outros foram para Indaiatuba, cidade vizinha. Em 27 de novembro de 2012, o juiz Luiz Roberto Cappio determinou que as cinco crianças baianas voltassem a viver com os pais biológicos.

    Os cinco filhos da lavradora Silvânia da Silva voltaram com a mãe biológica para a cidade de Monte Santo no dia 23 de dezembro de 2012.

    Através da assessoria, o Tribunal de Justiça da Bahia disse que o juiz Luiz Roberto Cappio, que acompanhava o caso como juiz substituto, foi remanejado para a cidade de Euclides da Cunha, onde é titular da comarca. De acordo com o órgão, essa alteração de juízes ocorre anualmente no mês de janeiro, no entanto, só foi realizado depois que Cappio pudesse concluir o processo de Monte Santo.

    As Informações são do G1