Marcelio Oliveira – O meio ambiente pede socorro

 DSC003082s“O fundamental é descobrir-se um ponto de coexistência que garanta a sobrevivência do ambiente natural da Terra e a existência do homem civilizado”. Rachel de Queiroz

Atenção. Urgente. Esta é uma questão de vida ou morte. As evidências estão em toda a parte, ao nosso redor, no chão que pisamos no ar que respiramos, na água, etc. Tudo serve como indicação de que o processo de degradação da natureza e de deterioração do meio ambiente não pode ser tratado mais com indiferença.

Em nome do desenvolvimento e do lucro, o homem tem sido o lobo do homem. Ele vem praticando a devastação das florestas, a eliminação dos animais, a esterilização das terras, a contaminação do ar e a poluição das águas, sem medir as consequentes de seus atos para o nosso futuro aqui na Terra.

Os países de Primeiro Mundo, ditos civilizados são, de longe, os maiores poluidores mundiais e são, também, os  responsáveis direta ou indiretamente pela maioria dos problemas ambientais existentes.

De acordo com pesquisas da ONU, um quinto da população mundial é responsável por 90% do consumo. Portanto, são esses os maiores vilões dessa história nada divertida. São pessoas que não se importam com a situação real do planeta, pois, mesmo conhecedores dos problemas ambientais existentes, ainda têm coragem, por exemplo, de comprar mais um carro, mesmo já tendo outro na garagem.

Em meio a esse fato, existe, felizmente, algo louvável. Trata-se do caso de países ricos que estão investindo na recuperação do meio ambiente, de modo que, a poluição da água e do ar está diminuindo, espécies foram recuperadas e o crescimento de áreas verdes está aumentando.

Ações como o Protocolo de Kyoto, a Eco 92 e a Rio + 20, são exemplos de como devemos agir para encontrar as soluções para os problemas ambientais existentes. Esses eventos são de suma importância, pois, colocam em pauta assuntos urgentes que devem ser discutidos por todos os países do mundo, em busca de soluções.

Mas infelizmente, existem, ainda, países, como o caso dos Estados Unidos, que não estão colaborando eficazmente com essas causas. Não estão fazendo quase nada para amenizar os grandes problemas ambientais. Logo eles, os americanos, que são os maiores consumidores e, consequentemente, os maiores poluidores, certamente, deveriam dar o exemplo.

Devemos, sim, pensar seriamente no futuro do nosso planeta e em como gostaríamos de deixar para as futuras gerações. Não é justo que, devido à ambição e ganância desenfreadas de alguns países, os nossos filhos, netos e bisnetos venham receber como herança um mundo devastado, sem quase nenhuma chance de sobrevivência.

ECOLOGIA

O termo ecologia foi utilizado pela primeira vez em 1886 pelo cientista alemão Ernest Haeckel e vem das palavras gregas oikos, que quer dizer meio ambiente e logos, cujo significado é conhecimento, estudo.

Segundo Haeckel, todo organismo vivo é interdependente entre si e o meio ambiente, e o conceito de Ecologia, evoluiu de uma fase biológica para um enfoque mais abrangente.

No dicionário Aurélio de Língua Portuguesa Ecologia é definida como ramo das ciências humanas que estuda a estrutura e o desenvolvimento das comunidades humanas em suas relações com o ambiente e suas consequências adaptação a ele, assim como novos aspectos que os processos tecnológicos ou os sistemas de organização social possam acarretar para as condições de vida do homem.

A atual situação dos recursos hídricos, a inadequada qualidade do ar que respiramos, a forma predatória de ocupação da região Amazônica e a queimada irracional das matas são exemplos da maneira como os recursos naturais são tratados.

O LIXO É UM PROBLEMA

Você sabia que um dos grandes problemas das mega cidades, a exemplo de São Paulo, é o problema do lixo?
Pois, bem, o lixo, quando não disposto adequadamente ao solo, irá acarretar incômodos imediatos à população como mau cheiro, e proliferação de insetos.

A forma mais correta e econômica de destinação do lixo é chamada de aterro sanitário, terreno amplo onde o lixo é espalhando e amassado sobre o solo e depois coberto por uma camada de terra.

Algumas alternativas: Incineração – que é a queima de lixo em fornos a elevadas temperaturas e a compostagem, feitas através da transformação do lixo em composto orgânico, misturado ao solo, serve de adubo.

Além disso, é preciso lembrar a ocorrência do chamado resíduo não biodegradável constituído de plástico, vidro, alumínio e que não se decompõe, constituindo um serio risco a sua destinação.

A maioria desses produtos são economicamente valiosos e, por isso, na maior parte das vezes, são reciclados, isto é, recolhidos e novamente industrializados.

Existem alguns produtos que são compostos por substâncias que, em contato com seres microscópios existentes no ar, entram em processo de degradação, decomposição.

Esses produtos que se decompõem em contato com o ar são chamados de BIODEGRADÁVEIS.

O vidro não é biodegradável, pois não possui substancias que se decompõem.

Os alimentos, em geral, são biodegradáveis, pois se estragam, decompõem-se quando em contato prolongado com o ar.

Estão aí oito dicas, simples e fácil de fazer para que possamos ajudar na questão de sustentabilidade.

1 – USAR MÓVEIS DE MADEIRA: Porque a madeira aprisiona o carbono que, estando no ar, provoca o efeito estufa. Além disso, moveis de madeira de madeira costumam ser preservados, passando de geração em geração.

2 – EVITE PLÁSTICO E VIDRO: Porque plástico e vidro são mais poluentes que lata de alumínio. As latinhas de alumínio dos refrigerantes são, no Brasil, recicladas, o que faz desse material o menos poluente.

3 – TOME BANHO PELA MANHÃ: Tomar banho em horário de pico consome mais energia e energia mais poluente. Em horários de pico, em torno das 19h30, a energia elétrica produzida por nossas usinas não é suficiente. Há necessidade, então, de acionar as usinas termoelétricas, que produzem energia poluidora.

4 – PAGUE SUAS CONTAS ONLINE: Nas transações bancárias, gastam-se muito papel, e, para fazer papel, gastam-se muita energia e se produz poluição.

5 – PREFIRA ALIMENTOS LOCAIS: Ao consumirmos alimentos locais evitamos a poluição causada pelo transporte de alimentos. Evitamos também que os alimentos sejam colhidos antes de estarem maduros, prontos para a colheita.

6 – TOME AGUA DA TORNEIRA: Podemos e devemos beber água da torneira, pois nossa água é potável, ou seja, tratada para o consumo. Evitamos, assim, tomar água de garrafa plástica, pois o plástico é muito poluidor.

7 – RESPEITE O MODO DE VIVER E PENSAR DO OUTRO: Promova a diversidade. Respeite as diferenças, promova a inclusão e não a exclusão, respeite as minorias.

8 – DESLIGUE APARELHOS, QUE NÃO ESTÃO SENDO USADOS, DA TOMADA: jamais deixar o computador, a TV, a luz, etc, ligado sem estar usando, substituir pilhas comuns por recarregáveis e participar dos programas de sustentabilidade em qualquer plataforma existente.

Marcelio Oliveira (Para o Portaldenoticias.net)
Jornalista
Email: marceliojornalista@hotmail.com