Marcelio Oliveira: “O mundo cada vez mais pequeno”

“Antes mundo era pequeno

Porque Terra era grande

Hoje o mundo é muito grande

Porque Terra é pequena

Do tamanho da antena parabolicamará”

Gilberto Gil

marcelioAntes das grandes navegações, os homens achavam que o mundo era pequeno, descobriram depois que estavam redondamente enganados.

Com o advento dos meios de comunicação e informação, redescobriu-se que a Terra é realmente pequena. Afinal, vemos tudo acontecer simultaneamente em todos os cantos do planeta através do rádio, da televisão e, principalmente, da internet.

Precisamos entender que esses meios de comunicação e informação devem ser urgentemente avaliados, especialmente ao que diz respeito à televisão aberta no nosso país. Pois na grande maioria das vezes a TV é o único meio de informação e de lazer de uma esmagadora parte da população e, sendo assim, fica impossível que esse veículo não influencie e manipulem aqueles que seguem sistematicamente as suas programações, as quais, sem sombras de dúvidas acabam os alienando.

A imprensa escrita, os livros, a TV por assinatura e até mesmo a Internet, são tidas ainda como veículos de uma elite, sendo poucos os que têm o privilégio de usufruir desses meios de comunicação que deveriam estar disponíveis para todos os cidadãos.

Para resolver esse problema existe somente uma solução, o qual já é mais que um clichê. E que todos tenham acesso a uma educação de qualidade e, assim, buscar se envolver na melhoria e no acesso a todos os meios e veículos de comunicação existentes.

Quando as pessoas começarem a conhecer melhor o seu país, os seus direitos e deveres, através do acesso aos livros e da Internet, elas quererão ampliar seus horizontes, então, procurarão outros meios de informação e deixarão a televisão aberta completamente de lado. Isto é, se esta não evoluir ao tocante a sua programação.

Mas afinal, como democratizar a TV, o rádio, a imprensa e a Internet, que são o oxigênio e a fumaça que a nossa imaginação respira? Como seria, por exemplo, uma TV sem manipulação? São perguntas difíceis, mas a luta social efetiva, e sobretudo um projeto de futuro, são impossíveis sem entrar nesse terreno.

Navegar na Internet, ler bons e variados livros, jornais e revistas, assistir bons programas de televisão, vai depender bastante da democratização desses veículos. Afinal, se muitas pessoas começarem a utilizarem com inteligência, aos poucos mudaremos o nosso país e nos inseriremos de vez no mundo globalizado em que estamos vivendo e, como na época dos grandes navegadores, vamos perceber que o mundo é cada vez menor.

 

 

P.S.: Para entender o texto e entrar no contexto:

 

O dia é 1º de julho de 1501. A esquadra de Pedro Álvares Cabral acaba de retornar de sua viagem às Índias. E entre os relatos extraordinários que ele e seus navegantes trazem da expedição está uma descoberta feita mais de um ano antes. No dia 22 de abril de 1500, ainda no começo de sua empreitada, eles avistaram terras novas a oeste do que nessa época era chamado de Mar Oceânico. Até então, a única notícia que se tinha dessa descoberta era uma carta de Pedro Vaz de Caminha, o escrivão da esquadra, despachada imediatamente para a corte.

Lisboa era então o centro de uma das mais notáveis páginas da história humana. Para ali convergiram marinheiros de toda a Europa, comerciantes estudiosos das artes náuticas, da astronomia e da geografia. Todos queriam participar da aventura dos descobrimentos e dela tirar o melhor proveito possível. Vasco da Gama sob a mesma bandeira portuguesa, acabara de contornar a África e abrir o caminho para as Índias. Nove anos antes, Cristóvão Colombo sob comando dos reis de Espanha, tinha chegado à América. No comércio, nas artes e na cultura, o mundo estava em efervescência. Maquiavel alinhava as idéias para escrever ‘O Príncipe’, o mais célebre tratado sobre o poder em todos os tempos. Leonardo da Vinci acabara de pintar a ‘Última Ceia’. Michelangelo Buonarroti deslumbrava a Europa com sua pietà. O continente era inundado por uma enxurrada de 20 milhões de livros, frutos de uma invenção recente: a prensa de tipos móveis do alemão Johann Gutenberg. Em Roma, a corrupção e a moral erodiam o poder do papa. A inquisição estava no seu auge.

Marcelio Oliveira (Para o Portaldenoticias.net)
Jornalista
Email: marceliojornalista@hotmail.com