Marcelio Oliveira – A obra de Machado de Assis é ainda atual

DSC003082s11111Ao falarmos da obra machadiana, enfrentamos um impasse, especialmente ao tocante aos seus contos. Neles, o escritor fala de tudo que está acontecendo, como se estivesse olhando através de um aparelho de microscópio. A sua fórmula narrativa, como mesmo lembrou Roberto Schwaz, atende meticulosamente às questões ideológicas e artísticas.

Por se tratar de um grande conhecedor da psicologia e, por contrapartida, da natureza humana, o escritor percorre em busca de destrinchar os impasses das classes sociais, principalmente, as dominantes, em que ele enxergava vários motivos para as mais severas críticas.

Sua obra, significadamente contemporânea, traz relatos, em por menores, sobre o desejo, muitas vezes secreto da classe dominante, a qual anseia, cada vez mais em adquirir bens, em ostentar o luxo e a aparência. Mesmo que para isto seja preciso passar por cima dos outros, agir amoralmente, sem se importar com princípios, na ânsia de alcançar ou manter os seus objetivos.

É necessária que se fale que, em sua obra, Machado tece uma crítica severa a toda a sociedade brasileira da época em que viveu, não poupando ninguém.

No entanto, o seu principal alvo é a crítica a sociedade que vive da aparência, em que às pessoas se mostram ser aquilo que no íntimo, realmente não são.

Sem nos esquecer de mencionar a questão dos bens materiais e o desleixo as relacionadas ao intelecto, à cultura e ao espírito, em que o aspecto no tocante ao “ter” é muito mais valorizado do que os aspectos do “ser”.

Machado é talentoso demais em suas argumentações e pontos de vista. Vemos claramente que, mesmo a obra por ser escrita no século XIX, permanece universalizada e atual.

Ao nos depararmos com textos do autor nos dias de hoje, podemos constatar sempre algo do nosso cotidiano, como é o exemplo do conto, “Sereníssima República”, em que observamos algo familiar a nós, como as eleições presidenciais que se aproxima.

Outro conto bastante atual é o excelente, “Teoria do Medalhão”, nele, o autor relata com precisão o que podemos fazer para nos darmos bem na vida, para isto, nos basta, apenas a ajuda de um pistolão.

O conto faz referência, explícita, ao fato de as pessoas não precisarem buscar o conhecimento, mas apenas ter o tal do pistolão para alcançar o seu objetivo em ser alguém na vida.

Machado aproveita o mesmo conto para criticar o preconceito sofrido por aqueles que estão em busca do conhecimento, da cultura e da informação, os tipos tidos como intelectuais, ou nerds.

O que fica claro na obra de Machado de Assis é que o maior desejo do autor era a vontade de ver a sociedade perfeita, mas que ele sabia que isto era impossível de ser.

Por isso, ele criticava abertamente a todos os seguimentos sociais, sem deixar ninguém de fora.  Como dito antes, a classe dominante era o principal alvo do autor, por ser, até hoje, a detentora da maior parte dos bens e, de certo modo, do conhecimento em todos os ambitos.

É necessário salientar que a obra deste excelente autor é muito extensa. Portanto, é preciso muito tempo para analisá-la, pois sempre há algo de novo para se explorar, pois sempre encontraremos algo dito nas entrelinhas.

Haverá precisamente algo para se pensar, afinal, cada conto, cada livro dele lido, encontraremos em trechos, sempre uma significância, mesmo quando o texto é inacabado.

Marcelio Oliveira (Para o Portaldenoticias.net)
Email: marceliojornalista@hotmail.com