Merendeiras de escolas estaduais entram em greve e alunos deixam sala de aula mais cedo

merendaMais de 400 merendeiras que trabalham em escolas da Rede Estadual de Ensino estão em greve por causa do atraso no pagamento dos salários. Por conta da falta de merenda, o horário das aulas foi reduzido, já que cerca de 1,1 mil alunos estão sem alimentação. Um dos casos registrados é o da Escola Nogueira Passos, no bairro da Pituba, em Salvador, onde estudam 800 jovens. As aulas têm terminado antes do horário normal, que seria 11h50. As aulas na unidade de ensino começam às 7h30 e os estudantes começaram a deixar o local às 9h30. Segundo os alunos, há mais de três semanas as merendeiras pararam as atividades. De acordo com reportagem do G1, os trabalhadores são funcionárias da empresa tercerizada Líder, contratada pelo governo. A Secretaria Estadual de Educação não informou quantas unidades de ensino do Estado estão prejudicadas pela greve das merendeiras. Sobre o problema com a Líder, a pasta informou que deve cancelar o contrato e que todos os direitos das merendeiras vão ser cumpridos. Além disso, acrescenta que está garantida a permanência delas na nova empresa que vai ser contratada pelo governo da Bahia. (Bahia Notícias)