“Não preciso ser tratado como bicho” diz pagodeiro baiano após acusação de estupro

734nf7qd0d_4l69gza3mc_filePela primeira vez, o ex-vocalista da banda baiana New Hit fala sobre a acusação de estupro feita por duas adolescentes há mais de dois anos. Dudu Martins participou do programa Balanço Geral Tarde, da Record Bahia, e conversou com o apresentador José Eduardo. O cantor negou que tenha praticado a violência, mas confirmou que manteve relações sexuais com uma das menores

— Eu sou uma pessoa que não tenho necessidade nenhuma de causar algum mau pra ninguém, quem dirás estuprar uma pessoa. Ficamos de uma forma normal, consensual, ela saiu do ônibus, nos falamos, nos despedimos e depois fomos (ele e os integrantes da banda) surpreendidos por duas viaturas na saída da cidade

Dudu, que tenta retornar a carreira na banda Pagodão, revelou que, após ser abordado pelas viaturas, eles foram encaminhados para a delegacia e foram interrogados de forma que sabia que não era o certo.

— Sabia que não estava correto, não era para ser daquele jeito. Nós não somos bichos, somos seres humanos, temos família, não preciso ser tratado como bicho.

O cantor afirmou não entender o motivo de a adolescente ter contado que foi estuprada e disse que não tinha motivo para estuprar uma pessoa.

— Sou uma pessoa de boa índole. Qual a intenção que teria de estuprar uma pessoa no auge da minha carreira? Estava vivendo o sonho que sempre quis, que sempre lutei, estava tocando muito, estava fazendo 22, 23 shows por mês.

O advogado de defesa, Rafael Ázaro, disse que não podia falar muito sobre o caso, pois as vítimas eram adolescentes, mas afirmou que, antes de assumir a defesa, sua visão era totalmente diferente.

— A partir do momento que você folheia os autos, você muda a sua concepção. Quando pode analisar o conteúdo geral dos autos fica claro que não há provas que possa apontar que houve estupro. O conteúdo aponta o oposto. Foi criando uma verdadeira novela. A vítima fala uma coisa e depois muda completamente. Uma diverge da outra. Depoimento das vítimas, somado aos laudos, as testemunhas mostram que não há nada que concretize as historias das meninas.

— Eu sou um artista, eu sou do povo, eu trabalho para poder levar minha música, minha verdade para o povo. As pessoas sabem, o povo não é burro, todo mundo sabe na nossa índole. Para as pessoas que não gostam (do cantor), aqui não é uma novela, isso aqui é uma vida, a gente não pode ficar achando ou deduzindo o que acontece na vida das pessoas sem saber dos fatos. Eu sou uma pessoa do bem

O caso ocorreu no dia 26 de agosto de 2012 após uma apresentação do grupo em um carnaval fora de época na cidade de Ruy Barbosa. As supostas vítimas, ambas de 16 anos, contaram à polícia que foram estupradas dentro do ônibus da banda, onde entraram para tirar fotos com os integrantes. A dupla afirmou que foi levada ao banheiro do veículo e as duas foram violentadas pelos rapazes, que agiram em duplas. Exames comprovaram a presença de esperma nas partes íntimas e nas roupas das jovens.

Os acusados aguardam o julgamento. O advogado disse que o processo já foi concluído para dar a sentença e aguarda o posicionamento da juíza. Com informações do R7/BA