Nasce uma lenda: Baiana humilha americana e se torna a primeira brasileira campeã do UFC

O cinturão é dela! A baiana Amanda Nunes se tornou a primeira mulher do país campeã do Ultimate, após vencer Miesha Tate com um mata-leão, na luta principal do UFC 200, na madrugada deste domingo (10), em Las Vegas (EUA).

Jul 9, 2016; Las Vegas, NV, USA;  Amanda Nunes (blue gloves) reacts after defeating Miesha Tate (red gloves) during UFC 200 at T-Mobile Arena. Nunez won by rear naked choke. Mandatory Credit: Joshua Dahl-USA TODAY Sports
Las Vegas, NV, USA; Amanda Nunes UFC 200 T-Mobile Arena. Foto: Joshua Dahl-USA TODAY Sports

A baiana de Pojuca levou o cinturão peso galo depois de terminar o duelo em 3min16. Amanda deu poucas chances e castigou Miesha, que sangrou muito e foi imobilizada com um mata leão.

Miesha-Tate-v-Amanda-Nunes (2)

“Eu mandei uma mensagem para o Dana e disse a ele que seria a nova campeã do UFC. Eu sou a nova campeã. Eu me sinto incrível”, desabafou a brasileira, após a luta. “Há dez anos eu venho trabalhando muito forte para isso. Todo lutador tem chance de mudar sua maneira, eu sou esse tipo de lutadora, tive que buscar alternativas para as coisas acontecerem na minha vida. Miesha é uma oponente muito difícil. Agora vou voltar ao Brasil e visitar minha família, minha avó. Essa é para você, vó”, completou, emocionada.

Miesha-Tate-v-Amanda-Nunes (3)

A então campeã, Miesha Tate, perdeu o prêmio em sua primeira defesa. Ele havia conquistado o título com vitória sobre Holy Holm.

Miesha-Tate-v-Amanda-Nunes

Trajetória até chegar ao topo
Amanda nasceu em Pojuca, Região Metropolitana de Salvador, com pouco mais de 36 mil habitantes. O esporte a acompanhou desde criança. A baiana chegou a jogar futebol e fazer teste no Vitória, mas acabou seguindo o caminho do jiu-jítsu, esporte que já treinava e competia.

Miesha-Tate-v-Amanda-Nunes (1)

A atleta começou a treinar com o professor Daniel Vitor, ainda em Pojuca. Quando o interesse pelo esporte passou ficar mais sério, ela se mudou para Salvador e passou a treinar na academia Edson Carvalho, especializada em jiu-jítsu e judô. Foi lá que ela ganhou o apelido de “Leoa”. A partir daí, com mais contato com o judô, Amanda conquistou medalhas, além de vencer o campeonato Panamericano e o Mundial. (Com informações do iBahia)