Novo estudo aponta alternativa para alimentar rebanho na caatinga

Um estudo da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) Caprinos e Ovinos mostra que a adoção de técnicas sustentáveis na caatinga pode resultar em um pasto com rica vegetação local e, assim, proporcionar uma melhor alimentação para os animais criados na região, como gado, caprinos e ovinos.

Na pesquisa, a recomendação é que os criadores apliquem em suas áreas um manejo sustentável da rica biodiversidade local, por meio de três técnicas: raleamento, rebaixamento e enriquecimento.

Foto reprodução

O raleamento é o corte seletivo de vegetações de menor importância para que outras, de maior valor forrageiro (forragem animal) e madeireiro, possam se expandir. O rebaixamento é o corte da copa de árvores e arbustos mais altos para que fiquem acessíveis ao pastejo de rebanhos de pequeno porte, como cabras e ovelhas, por exemplo. Já o enriquecimento tem como base a introdução de espécies que permanecem durante um longo tempo na região, sempre precedida de estudos.

A caatinga é o único bioma exclusivamente brasileiro, com uma área de 844.453 km² totalmente dentro do território nacional, com clima semiárido, poucas chuvas e secas prolongadas. Diante desse cenário, a região não é o que se poderia chamar de área ideal para pecuária, principalmente a extensiva.

Por isso, a solução que parecia mais óbvia para a criação de gado na região – principalmente cabras e ovelhas – era desmatar as plantas nativas e substituí-las por pastagens artificiais. Entretanto, a pesquisa aponta que alternativa para alimentar o rebanho, sugerida após os estudos, é de que o aproveitamento das espécies para alimentação do gado deve ser feito de maneira sustentável evitando a destruição de espécies da caatinga e a degradação da região.

O objetivo do projeto é a manutenção da biodiversidade da região, para que não faltem os alimentos necessários para os animais, conforme explicou a coordenadora da pesquisa, Ana Clara Rodrigues Cavalcante, pesquisadora da Área de Manejo Sustentável de Pastagens, da Embrapa Caprinos e Ovinos, localizada em Sobral (CE).

De acordo com Ana Clara, são mais de três mil espécies vegetais que se combinam formando a flora da caatinga. Elas podem servir de alimento para os animais.

Leguminosas nativas no pasto da Caatinga — Foto: Divulgação

As plantas que surgem das técnicas da pesquisa são identificadas e estudadas pelo Projeto Forrageiras para o Semiárido, uma parceria entre a Embrapa e a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), por meio do seu instituto (ICNA).

O ponto de partida para a pesquisa foi a constatação de que, durante os longos períodos de seca, a perda de rebanho era muito maior em regiões mexidas pelo homem do que em locais pouco alterados.

O trabalho serviu para confirmar cientificamente o saber popular: existem, no semiárido, muitas plantas indicadas para o consumo animal, dentre as quais se destacam as de gosto agradável aos rebanhos, fácil digestão e alto valor nutricional. As mais comuns incluem gramíneas (capins buffel, mimoso, massai e outros) e leguminosas (leucena, gliricídia, catingueira, moringa), além de outras vegetações como milho, sorgo e capim-elefante.

No projeto, são estudados vários tipos de forrageiras: anuais, perenes, lenhosas e cactáceas, em condição solteira (sem outras espécies por perto) e consorciada.

De acordo com a coordenadora da pesquisa, Ana Clara Rodrigues, a estratégia é uma forma de garantir um suporte alimentar adicional e fundamental para a sustentabilidade da caatinga. Além disso, a presença de pequenas áreas de produção intensiva de plantas desse tipo, que servem de reserva estratégica para o período seco, garante o uso mais racional da comida nativa evitando a degradação do bioma. (Fonte: G1/BA)

....