Alerta máxima: Novo surto de escarlatina no Brasil ataca crianças de 5 a 12 anos

A escarlatina, uma infecção que atingia majoritariamente crianças e havia ficado praticamente relegada ao século passado, está reaparecendo em algumas partes do mundo e também no Brasil.

Na Inglaterra e no País de Gales se fala inclusive de “drásticos aumentos” de incidência desse tipo de infecção, e as autoridades de saúde pública ainda não conseguiram identificar a causa para isso.

No Brasil, a doença infecciosa atingiu diversas crianças em São Carlos-SP, no início de agosto e já vem chamando a atenção de autoridades.

Foto reprodução/EPTV

A doença, que afeta principalmente crianças entre 5 e 12 anos, está em seu nível mais alto dos últimos anos, conforme pontua a Autoridade de Saúde Pública da Inglaterra (PHE, na sigla em inglês).

Preocupação antiga

A escarlatina foi uma infecção comum na Inglaterra e no País de Gales no início do século 20, até os anos 1930, uma época que eles chegaram a registrar até 100 mil casos.

Desde então, os números foram reduzindo de maneira gradual, principalmente devido ao surgimento dos antibióticos.

No entanto, em 2014, os especialistas começaram a notar um aumento recente significativo no número de casos.

A causa?

Segundo o repórter de saúde da BBC, Dominic Howell, “a razão para isso estar acontecendo ainda é algo que intriga os médicos e não pode ser explicada apenas com o aumento da população”.

“Foram colhidas amostras de análises em várias partes do país e os especialistas acreditam que não apareceu um novo tipo de escarlatina”, afirmou Howell.

“As análises também revelaram que a infecção não se mostrou resistente à penicilina, ainda que isso esteja sendo estudado detalhadamente.”

A explicação ainda é um mistério.

Complicações

Os autores do estudo publicado em novembro garantem que o aumento é “muito preocupante”, principalmente se ficar comprovado que ele se deve a uma resistência da bactéria.

“Temos agora uma situação que poderia mudar a natureza da doença e fazê-la resistente a vários tratamentos que normalmente são receitados para essas infecções respiratórias, como a escarlatina”, disse Nouri Bem Zakour, uma das pesquisadoras que participaram do estudo.

A infecção pode ser tratada com antibióticos.

Mas se ela não é tratada, pode virar uma febre reumática – essa, sim, mais grave e que pode causar danos permanentes no coração.

Theresa Lamagni, chefe do grupo que monitora infecções causadas por estreptococos, explica à BBC que os sintomas da escarlatina “desaparecem depois de uma semana” e que a doença normalmente é curada sem complicações quando é feito o uso adequado dos antibióticos.

“As complicações potenciais podem incluir infecção de ouvido, abcessos na garganta e pneumonia”, afirma.

“Os pacientes que não mostram sinais de melhora dias depois de começarem o tratamento devem buscar ajuda médica urgente.”

Escarlatina

  • Infecção tratada com antibiótico para minimizar o risco de complicações.
  • Não existe vacina para preveni-la.
  • Os sintomas incluem dor de garganta, dor de cabeça, febre e uma textura áspera e vermelha da pele na região do peito e do estômago – que depois pode se espalhar para outras partes do corpo.
  • Quem identifica esse tipo de sintoma deve procurar ajuda médica imediata para iniciar o tratamento com antibiótico.