Operação interdita seis academias de ginástica na Bahia

ssssPara averiguar as condições de funcionamento das academias de ginástica em Salvador, uma operação conjunta, integrada pela Delegacia de Defesa do Consumidor (Decon), Conselho Regional de Educação Física (CREF-BA), Sucom e Procon, foi deflagrada nesta terça-feira (29), interditando seis dos dez estabelecimentos fiscalizados, todos notificados por apresentarem algum tipo de irregularidade.

Batizada de Apolo, a operação identificou instalações e equipamentos em condições inadequadas e se deparou com a ausência de profissionais inscritos no CREF-BA, obrigando, assim, que algumas dessas situações constatadas levassem ao fechamento de academias. Todas terão que se adequar às exigências dos órgãos fiscalizadores para serem reabertas.  A operação conjunta será intensificada na capital e na Região Metropolitana, durante o Verão, quando aumenta a frequência a esses estabelecimentos.

Os resultados da Operação Apolo foram apresentados à imprensa, na tarde desta terça-feira (29), no auditório do edifício-sede da Polícia Civil na Piedade. Participaram da entrevista coletiva, a delegada Carla Santos Ramos, titular da Decon, Jehorvan Carvalho de Melo, representante do CREF-BA, Guilherme Morais, representante do Procon, e Anna Kelly Marques, representante da Sucom.

Interdições

Interditadas pela Sucom, as academias Iran Borges, na Federação, La Ve Fitness, na Vasco da Gama, Evans, no Garcia, Blue Life, em Brotas, e Jaguar e Power Jump, ambas no bairro de Santa Cruz, funcionavam precariamente, sem profissionais capacitados e pondo em risco a saúde e a integridade física dos clientes, com equipamentos obsoletos e danificados. Também não dispunham de alvará de funcionamento e nem cópias do Código de Defesa do Consumidor à disposição do público, além de não exibirem, em local visível, os preços cobrados pelos serviços oferecidos.

Conduzidos à Decon, na Rua Carlos Gomes, representantes das dez academias, entre proprietários e instrutores de educação física, foram ouvidos e liberados.  Dependendo da natureza da infração, eles poderão ser indiciados em inquérito policial por crime contra a relação de consumo, falsidade ideológica e exercício irregular da profissão, segundo a delegada Carla Ramos.

Mais de 30 profissionais, entre policiais e fiscais, participaram da operação conjunta, também realizada nos bairros de Brotas, Canela, Federação, Iguatemi, Campo Grande, Ondina e Rio Vermelho. As academias Tony Granjo, Body Tech, Compasso e Autoridade do Esporte foram os outros quatro estabelecimentos fiscalizados durante a ação.

A delegada Carla Ramos orienta o consumidor a denunciar qualquer academia de ginástica que esteja funcionando sem as condições necessárias para o atendimento ao público. “Equipamentos em bom estado de conservação, profissionais capacitados, instalações adequadas e higiene são requisitos que devem ser observados pelos clientes ao se matricularem numa academia”, afirmou a titular da Decon, que recebe denúncias por meio do telefone 3117-6866.