Operação policial na Bahia prende 67 pessoas e apreende mais de 600 kg de drogas

dzCom a participação de 1.700 policiais, entre forças de segurança federais e estaduais, a Bahia teve um saldo de 67 pessoas presas (42 em flagrante e 25 com mandados de prisão expedidos) e um menor foi apreendido durante a Operação Brasil Integrado – Ação Nacional.

Com início à 0 hora de hoje, a ação policial integrada, que teve iniciativas nos 26 estados mais o Distrito Federal, segue até o final da noite. Cinquenta e cinco militares da Força Nacional de Segurança Pública também participaram da operação na Bahia, atuando nos municípios baianos de Buerarema, Una e Ilhéus.

Em todo o estado, 58 pontos com barreiras policiais foram montados, responsáveis pela apreensão de 560kg de maconha, 31,3kg de cocaína, 20 kg de crack, 997 comprimidos de drogas sintéticas, além da erradicação de 39 mil pés de maconha.

A polícia baiana também apreendeu 26 armas de fogo, 140 munições de diversos calibres, 12 veículos e 24 objetos eletrônicos (balanças, relógios e telefones). Até o início da tarde foram abordadas 6.352 pessoas, 2.827 veículos, além de oito embarcações inspecionadas.

pzIntegração

Secretários da segurança pública dos estados e representantes estão em Brasília durante a operação, discutindo ações para efetivar políticas de integração para a área a partir do próximo ano. O titular da pasta na Bahia, Maurício Barbosa, anunciou que o grupo irá levar aos estados um pedido de continuidade dos avanços aos governadores eleitos ou reeleitos que assumirão os cargos em 2015.

“Quebramos alguns paradigmas em se fazer Segurança Pública. Precisávamos ter todos esses equipamentos à nossa disposição para que as palavras integração e cooperação deixassem de ser uma utopia e teoria, para que  pudessem ser realizadas na prática”, afirmou Barbosa.

Impacto regional

Esta é a primeira vez que a operação reúne ações coordenadas entre os órgãos de segurança pública dos 26 estados e do Distrito Federal. O foco da operação é combater conjuntamente ações de crime organizado com maior impacto regional em cada ponto do país, modelo semelhante ao da Copa do Mundo. As duas primeiras edições da Brasil Integrado foram realizadas nos estados do Nordeste, e a terceira incluiu os estados de fronteira.

Segundo o ministro José Eduardo Cardozo, as operações buscam perpetuar a experiência de atuação vitoriosa na Copa do Mundo para a segurança pública do país. “Começamos a fazer história com a primeira mobilização integrada em plano nacional. Essas ações são protótipos para que em breve tenhamos protocolos permanentes de atuação integrada e centros de monitoramento e controle em todo o país”, revelou.