PF flagra dinheiro sendo arremessado na rua durante operação em estatal vinculada ao Ministério da Saúde

fdfA Polícia Federal deflagrou, na manhã desta quarta-feira (9), uma operação para combater uma organização suspeita de direcionar licitações e desviar recursos públicos da Empresa Brasileira de Hemoderivados e Biotecnologia (Hemobrás), estatal vinculada ao Ministério da Saúde. Durante o cumprimento de um dos 28 mandados de busca e apreensão realizados, agentes da PF flagraram maços de dinheiro sendo arremessados da janela de um dos apartamentos das Torres Gêmeas, edifício onde vive um dos investigados, o diretor-presidente Rômulo Maciel Filho, no Bairro de São José, na área central do Recife. A PF apura, no entanto, quem teria arremessado os pacotes antes da chegada dos policiais.

Entre os delitos apurados na operação estão corrupção passiva, infringência da lei de licitação, peculato, evasão de divisas, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

Segundo o superintendente da PF no estado, Marcelo Diniz Cordeiro, a investigação já teria verificado desvios de aproximadamente R$ 20 milhões, mas esse valor pode ser ainda maior. “Essas frentes que estamos investigando não dizem respeito só ao superfaturamento da obra, mas também ao superfaturamento do gerenciamento, direcionamento de licitações entre outras coisas”, explicou.

5048f59fb75deccee5b75dcd8f2d78adO ex-coordenador do Programa Mais Médicos e atual diretor de Inovação Tecnológica da Empresa Brasileira de Hemoderivados e Biotecnologia (Hemobras), Mozart Sales, também é um dos investigados de participar da organização criminosa. Um mandado de busca e apreensão foi cumprido na casa dele, no bairro de Parnamirim, Zona Norte do Recife, nesta quarta-feira (9). Mozart Sales também foi afastado da função.

Escolhido pelo então ministro da Saúde, Arthur Chioro, Mozart Sales é médico e havia assumido a diretoria de Produtos Estratégicos e Inovação da Hemobras em março deste ano. Sob sua responsabilidade estavam as pesquisas, produção e gestão do plasma. O médico também atuou como sexretário nacional de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde, do Ministério da Saúde, entre os anos de 2012 e 2014, quando coordenou a implantação do programa Mais Médicos, do governo federal.

A Operação Pulso já cumpriu dois mandados de prisão na manhã desta quarta-feira (9). De acordo com a Polícia Federal, Delmar Siqueira Rodrigues, preso em Teresina, no Piauí, seria o lobista do grupo especializado em direcionar licitações e desviar recursos públicos da Hemobras. A filha dele, Juliana Cunha Siqueira, também seria lobista e foi presa em Boa Viagem, na Zona Sul do Recife.