Polícia Federal reabre concurso público com 600 vagas

    340x255_1325215A Polícia Federal reabriu três editais de concursos públicos, oferecendo 600 vagas de nível superior: 100 para escrivão, 150 para delegado e 350 para perito criminal. Há cerca de um ano os certames foram suspensos por decisão do  Supremo Tribunal Federal (STF), por não contemplarem candidatos com deficiência física. Agora, 5% das vagas (o equivalente a 18 para escrivão, 8 para delegado e 8 para perito) estão reservadas para esses candidatos.

    Com inscrições de 17 de maio a 3 de junho, que devem ser feitas no site da Cespe/UnB (www.cespe.unb.br), organizadora do concurso, as oportunidades são para atuação no Acre, Amapá, Amazonas, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Pará, Rondônia e Roraima e em unidades de fronteira.

    Para o  cargo de escrivão, cujo salário é de R$ 7.514, são aceitos diplomas de graduação em quaisquer áreas. Já o cargo de delegado, cuja remuneração é de R$ 14.037, exige certificado de conclusão em direito.

    Para concorrer às vagas de perito, cujo salário também equivale a R$ 14.037,  é preciso ter diploma em ciências contábeis ou  econômica, engenharias elétrica, eletrônica, agronômica, química, industrial, florestal ou civil, ciências da computação, informática, análise de sistemas, engenharia da computação ou de redes de comunicação, geologia; biomedicina ou ciências biológicas, medicina, odontologia ou farmácia.

    Avaliações – Os três processos seletivos serão compostos pelas etapas de provas objetiva e discursiva, marcadas para o dia 21 de julho, exame de aptidão física, exame médico e avaliação psicológica, além de avaliação de títulos de candidatos a delegado e perito criminal e da prova oral para delegado.

    Segundo a professora da Central do Concurso Jociane Louvera, os editais mantiveram o mesmo conteúdo programático dos lançados anteriormente. “Não há surpresas. O cuidado maior deve ficar por conta das provas de perito, em que os candidatos devem mostrar conhecimento técnico em sua área de atuação”, afirma.

    Para quem vai concorrer dentro de áreas específicas, como medicina e odontologia, por exemplo, a dica é se diferenciar dos concorrentes  dedicando-se às questões de conhecimentos gerais e relacionadas às temáticas de direito, já que as matérias mais importantes em concursos do órgão costumam ser processo penal e direito constitucional.

    De acordo com a professora, a expectativa é  que, nas  questões discursivas, sejam cobrados conhecimentos sobre inquérito policial. “É um tema que vem sendo cobrado em exames parecidos e diz respeito à fase pré-processual das investigações, justamente onde entra o papel do delegado”, explica.

    O diretor do IOB Concursos, Leonardo Pereira, ressalta que é o primeiro concurso da Polícia Federal com um caráter mais jurídico. “Nas provas discursiva e oral, provavelmente será cobrada a jurisprudência recente de órgãos como o Supremo Tribunal Federal (STF) e o Supremo Tribunal de Justiça (STJ)”.

    Como as provas acontecerão em pouco meses, a dica de Pereira é que os candidatos reforcem os estudos com simulados de questões, tentando um domínio amplo de conteúdos.

    Fonte: A Tarde Online